C.E Sangenetto

Boa tarde, alvinegros.

Não tem nem 24h que questionei a escalação do time reserva do Botafogo contra o Nova Iguaçu no último sábado por causa da falta de entrosamento do time em jogos oficiais neste início de temporada. Ainda contesto, não mudei minha opinião, e também vi nos comentários que muitos de vocês pensam da mesma maneira. No entanto, temos que reconhecer um toque de esperteza vindo de Jair Ventura.

Jair Ventura em coletiva do BotafogoColetiva de Jair Ventura na véspera da partida decisiva contra o Colo-Colo (Foto: Vitor Silva/SS Press/ Botafogo)

Não é de hoje que Renan Fonseca e Sassá apresentam problemas dentro e fora de campo, respectivamente, e, apenas por isso, já não mereciam ser escalados. Mas vamos ao ponto. Quem viu a reação negativa da torcida com o zagueiro no jogo contra o Madureira e as vaias para Sassá diante do Nova Iguaçu, no último sábado, sabe que os dois não tinham clima para defender o Fogão em uma decisão.

Jair, que inicia 2017 com uma batata quente recheada de incertezas sobre o time titular na mão, mostrou lucidez em afastá-los para não prejudicar a atmosfera que já será naturalmente tensa no duelo contra o Colo-Colo. Mais do que isso, além do lado humano em blindá-los e pensar na carreira da dupla, o técnico terá na sua relação nomes da base como Marcelo (21), Igor Rabelo (21), Marcinho (20) e Matheus Fernandes (18), que se destacaram ultimamente e praticamente garantem a ausência de vaias no lotado Niltão.

Quem vai pegar no pé da garotada num jogo deste calibre?
Jair “escutou” e chamou a torcida.
A torcida vai apoiá-lo, não tem outro jeito.
Assim esperamos.

Saudações alvinegras!