C.E Sangenetto

Caros alvinegros,

Tem certos assuntos que ficam complicados para escrever, um misto de desânimo e até preguiça, admito. Novamente a violência nos estádios está em pauta, o que sempre nos deixa assustados e sem entender o que motiva tanta maldade gratuita em horas de lazer. Mas o que me chamou mais atenção depois da morte do torcedor botafoguense, foi a falta de sensibilidade de várias partes após o episódio lamentável.

A provocação barata e insensível do Flamengo

Galera, sei que é difícil, mas sem deixar a emoção tomar conta. Não houve incitação/apologia à violência no polêmico tweet do Flamengo. O “Cadê você, cadê você?”, que é um velho conhecido das arquibancadas, apenas casou com o “Não adianta fugir, não adianta correr”, que foi postado devido à possbilidade do jogo não acontecer. O jogo deveria acontecer? Não, claro que não, não tinha policiamento, segurança. Mas na minha opinião tudo não passou de flamenguice, provocação barata, repetida e batida. No entanto, faltou tato, foi de grande infelicidade e, felizmente, reconhecido.

A extrema infelicidade de Antonio Tabet

Postagem de Antonio Tabet no Twitter

Sobre ser infeliz, impossível não falar desse cara. Como qualquer pessoa pode ser capaz de dizer tais palavras, ainda mais ocupando o cargo que ocupa no Flamengo, depois do ocorrido? A postagem em sua página no Twitter foi depois das 23h, possivelmente consciente. Quer dizer então que a morte de um alvinegro é menos importante e relevante que a vitória no clássico? Éramos todos ontem, Tabet, só que agora somos menos alguns – um deles morreu e outros não voltarão aos estádios tão cedo. E não, não podemos nos acostumar com isso. Bola fora, isolou feio. Péssimo.

Expresso 100% irresponsável

Jornal carioca Expresso exibe vitória do Flamengo na capa

Falando em costume, infelicidade parecida foi me deparar com essa capa do Expresso, jornal carioca e popular do Grupo Globo. Nenhuma linha destacava o ocorrido nos arredores do Engenhão. Não deve ser relevante, é comum, não é mesmo? Um desserviço à população, companheiro editor. Sei que o mercado do jornalismo não está nada fácil, é preciso vender jornal, mas desse jeito é muito feio.

Fogão não pode incendiar situação e deve buscar diálogo

Tudo isso acima, assim como o futebol, mexe com as emoções dos torcedores. A diretoria alvinegra precisa ser fria nessas horas e não tomar decisões radicais, como impedir de vez o Flamengo de pisar no Nilton Santos ou qualquer outra medida do tipo. À primeira vista, pode parecer confortável para os botafoguenses, mas sejamos racionais: isso é solução para alguma coisa no futebol carioca?

Carlos Eduardo Pereira alimenta uma rivalidade sadia com o Flamengo, esse é um dos tons de sua gestão, mas tem hora que é necessário o diálogo. O Botafogo, precisa se agigantar nessas horas e conversar com os rubro-negros, não apenas com eles, mas todos os clubes cariocas e manter uma boa relação quando o assunto é segurança do torcedor. Fechar portões apenas alimenta a raiva nas ruas. O cenário político mundial nos mostra isso todos os dias. Vidas estão em jogo e muita bola vai rolar ainda em 2017. Muita calma nessa hora.

Qual é a opinião de vocês? Vamos dialogar.

Saudações alvinegras!