C.E Sangenetto

Impaciência? Claro que existe. Xingamentos, já rolaram mais. Vaias? Inexistentes com prudência. O Botafogo jogou muito mal contra o Volta Redonda nesta quinta-feira no Nilton Santos, pela estreia na Taça Rio. E não esperem que as coisas melhorem bastante para Libertadores.

Eu estava lá, como bom sócio-torcedor, saindo diretamente do trabalho correndo para acompanhar mais uma partida. A expectativa? Uma vitória, claro, mas sem lá grandes coisas. E percebi que, dentro do feminino Niltão naquela noite, havia vários na mesma sintonia, da galera que estava comigo até o desconhecido da arquibancada.

Camilo lamenta oportunidade de gol perdida contra o Volta Redonda Camilo teve grande oportunidade de gol no jogo contra o Volta Redonda
(Foto: Reprodução/Premiere)

Camilo está ‘perdido’ no esquema tático do Botafogo e precisa jogar com Victor Luís e Montillo no ataque

O time não tem trama de ataque eficiente, Jair. Jogadas pelo alto para Roger fazer o pivô, às vezes dava certo, outras não. E Camilo? É um caso à parte e que precisa ser destacado.

O cara é bom, diferenciado, mas está jogando isolado, flutuando dos dois lados da armação, quase sempre sem apoio. Várias vezes pegou na bola sem ter alguém para trocação. Quem seria esse alguém? Victor Luís, gente. O lateral é ofensivo e não pode abrir mão de chegar sempre à linha de fundo, é fundamental. Outra opção interessante e observada no jogo de ontem foi o próprio Montillo. Em todas as vezes que os dois se “encostaram”, surgiu uma tabelinha, uma oportunidade, e levantava o público.

‘Plantão Médico’ vira piada no estádio

O mesmo público que esperançoso aguardava bocejando alguma jogada e mexia no Instagram nas cadeiras começou a fazer piada com a situação física dos jogadores do Botafogo após as substituições de Jonas, Matheus Fernandes e Leandrinho, que saíram de campo machucados.

“Qual é, Camilo! Volta pro jogo, não!”, “Caraca, maluco, o Camilo tá andando e o Montillo exausto”, “O Camilo bateu a falta pra trás, hahaha! Não aguenta mais”, “Se eu fosse o Gatito nem batia tiro de meta mais, vai que sente a coxa?” e “Esse é o Plantão Médico do Fogão” foram algumas daquelas frases escutadas perto do campo.

E a entrada do Marcelo. Alguém explica?

Sai Matheus Fernandes, entra João Paulo. (OK!) Sai Jonas, entra Leandrinho (Pra cima deles!), até aí, substituições compreensíveis. No entanto, quando o Leandrinho se machuca, ou seja, uma opção ofensiva, entra o Marcelo para fazer a lateral do campo improvisada aos 31′ do 2º tempo? Guilherme e Sassá estavam no banco. Se não foi um teste para tentar encaixar o Marcelo no time da Libertadores, claramente vimos um técnico que sentiu a limitação física e preferiu garantir o magro 1-0 contra o Volta Redonda.

Saudações alvinegras!

Jair Ventura faz anotações durante Botafogo x Volta Redonda, pela Taça RioJair Ventura faz anotações durante Botafogo x Volta Redonda para Libertadores
(Foto: Reprodução/TV Globo)