Análise: empate morno com Boavista mostra pontos positivos e negativos no Botafogo

24 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise: empate morno com Boavista mostra pontos positivos e negativos no Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Rolou a bola para a temporada 2022. Pela primeira rodada do Cariocão, Botafogo e Boavista se enfrentaram no Nilton Santos e empataram em 1 a 1. O lateral Carlinhos marcou o gol alvinegro. Afetado pelo calor, pelos desfalques e pelo pouco ritmo de jogo, a partida foi marcada por poucas chances de gol e poucos lances dignos de destaque.

Com o elenco ainda em formação, o Botafogo ainda não pode colocar em campo muitas das novas contratações, mas a noite foi de estreias de algumas caras novas e retornos de velhos conhecidos. No time titular, Enderson Moreira promoveu a estreia do volante Fabinho, ex-Ceará, e do jovem Juninho, meia formado nas categorias de base do Glorioso. Gatito Fernandez reassumiu seu lugar no gol alvinegro depois de 16 meses afastados por lesão. Depois de duas temporadas atuando por empréstimo no Grêmio, Luiz Fernando voltou ao clube e começou o jogo na ponta direita.

Análise Boavista x Botafogo

Outro ponto de destaque na escalação do Botafogo foi a presença de Rafael. O lateral foi contratado em 2021 e usou o segundo turno da Série B para recuperar a forma física e técnica, depois de um longo tempo de inatividade. A expectativa para 2022 é que Rafael possa, enfim, justificar em campo toda a mobilização e o investimento feito em sua contratação. O camisa sete substituiu Daniel Borges também na função de terceiro homem na saída de bola alvinegra, mostrando uma ótima capacidade de leitura para também subir ao ataque. O lateral terminou o primeiro tempo com 115 ações com bola, líder na estatística no jogo com 23 a mais que Kanu, o segundo colocado. Infelizmente, Rafael deixou o campo machucado ao final da primeira etapa.

O sistema de jogo que o torcedor alvinegro já conhece foi mantido por Enderson. Com a posse, Carlinhos teve liberdade para atacar o lado esquerdo, Diego Gonçalves buscou movimentação para se aproximar de Matheus Nascimento e Luiz Fernando jogou bem aberto pelo lado direito para dar amplitude ao jogo. O Botafogo começou o jogo com muita posse de bola e sérias dificuldades na articulação das jogadas ofensivas, cenário natural para um time em em formação e bastante desfalcado. Os volantes Fabinho e Romildo até procuraram aparecer no campo de ataque, mas faltou à dupla a capacidade de passe vertical para auxiliar na construção do ataque. Juninho mostrou habilidade, visão de jogo e boa movimentação, embora tenha participado pouco do jogo. O meia tem potencial para se tornar um bom jogador.

Após uma pausa devido a uma queda de energia, o Boavista voltou mais ligado no jogo e abriu o placar a partir de um cruzamento e uma falha coletiva da defesa. O time de Bacaxá explorou bastante o lado esquerdo da defesa alvinegra durante o primeiro tempo. Os melhores momentos do Botafogo surgiram a partir das subidas de Rafael para o campo ofensivo. Atacando por dentro, o lateral foi capaz de encontrar os companheiros com passes criativos para desmontar a defesa adversária. Assim saiu o empate do Glorioso. Rafael esticou boa bola para Diego Gonçalves no lado direito e o atacante cruzou na medida para Carlinhos cabecear para o gol. Outro destaque da jogada foi a chegada de cinco jogadores alvinegros na área para finalizar.

Análise Boavista x Botafogo

No retorno do intervalo, a preocupação do treinador pareceu ser colocar mais jogadores próximos de Matheus Nascimento. Em princípio cobrou de Juninho essa aproximação. Depois, entrou com o Rikelmi para fazer companhia ao atacante. Sem Rafael, o Botafogo não teve um jogador com a habilidade e a personalidade para distribuir passes diferentes e foi pouco criativo na etapa final. Matheus se movimentou, procurou o jogo junto aos pontas, mas foi pouco acionado e deixou o jogo com apenas duas finalizações. Gabriel Conceição, que substituiu Matheus, também não conseguiu ser uma ameaça para a defesa adversária.

A falta de criatividade, somada a uma queda no acerto de passes, fez do segundo tempo um jogo morno. O preparo físico em começo de temporada, ainda longe do ideal, também justifica a incapacidade do Botafogo em pressionar o adversário em busca da virada. Por isso, há pouco o que analisar do ponto de vista coletivo da equipe. Vale destacar a boa atuação de Rafael no primeiro tempo. A exibição segura de Carlinhos, que segue oferecendo uma alternativa interessante para o sistema ofensivo. E o bom desempenho de Fabinho, volante de muita força que pode crescer ao lado de um jogador com maior qualidade no passe.

Análise Boavista x Botafogo

O Botafogo volta ao Nilton Santos para enfrentar o Bangu no próximo domingo (30), às 16h05.

Números do jogo: (Footstats)

Posse de bola – BOT 52% x 48% BOA
Passes certos – BOT 362 (89%) x 279 (88%) BOA
Finalizações – BOT 12 (4 no gol) x 7 (3) BOA
Assistências para finalização – BOT 9 x 4 BOA
Desarmes – BOT 14 x 13 BOA
Interceptações – BOT 4 x 2 BOA
Cruzamentos – BOT 6/19 (31%) x 3/23 (13%) BOA
Lançamentos – BOT 6/13 (46%) x 14/28 (50%) BOA
Viradas de jogo – BOT 3 x 2 BOA
Dribles – BOT 4/6 (66%) x 3/4 (75%) BOA
Perdas de posse de bola – BOT 25 x 29 BOA
Faltas – BOT 19 x 18 BOA

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas