Carlos Eduardo Sangenetto
09/11/2017
Rio de Janeiro (RJ)

Torcedor apaixonado pelo Botafogo, João Moreira Salles foi entrevistado pelo jornalista tricolor Pedro Bial na madrugada desta quinta-feira, no “Conversa com Bial”, da Rede Globo. No encerramento do bate-papo, o Fogão virou assunto, o que valeu aos alvinegros aquelas horas perdidas de sono.

João Moreira Salles é torcedor apaixonado pelo BotafogoJoão Moreira Salles contou como se sente sendo torcedor do Botafogo (Foto: Reprodução/Rede Globo)

Um dos responsáveis pela aquisição do novo centro de treinamento no bairro Camorim, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, Salles expressou em palavras como se sente sendo torcedor do Botafogo. A dificuldade de pertencer a uma “minoria resistente“, diferentemente do amparo da massa aos flamenguistas, e ter orgulho da valentia da equipe em campo, mesmo sem grande investimento, foram algumas características apontadas pelo entrevistado, que também deu a entender que ser botafoguense é uma lição para vida.

Veja abaixo o trecho completo da pergunta feita por Pedro Bial para João Moreira Salles:

João, o que/de que você elimina, tira, exclui, se livra, se liberta para ver 90 minutos do Botafogo jogando? A vida ganha sentido pleno com 90 minutos do Alvinegro no Engenhão? 

A beleza de ser a minoria

“Eu não tenho fé, nem metafísica. Portanto, a sensação que você pertence a algo maior, eu não tenho a graça de sentir isso todo dia. Eu sinto isso no estádio. Mas essa não é a natureza do Botafogo. A natureza do botafoguense é… É ser difícil ser botafoguense. É muito mais fácil ser flamenguista. Todo mundo é, você está amparado pela massa. Tem uma beleza nisso, em não se aliar com o poder. Sempre acho que os flamenguistas são aqueles que se aliam ao poder. Na França, eles estariam aliados à Vichy e a gente seria resistente, tinham 20 resistindo. Eu tenho sempre simpatia por isso. Sempre que estou em um país, eu pergunto: “qual é o time que não é da maioria? Por esse que eu vou torcer”. Não escolhi o Botafogo por causa disso, mas uma vez que sou botafoguense, eu acho isso deslumbrante. Acho realmente muito bacana”.

João Moreira Salles é torcedor apaixonado pelo BotafogoPedro Bial se divertiu com relatos de João Moreira Salles (Foto: Reprodução/Rede Globo)

‘Não somos um time rico, somos um time deslumbrante’

“E tem momentos transcendentais, como o que a gente vive neste momento, que temos um time que ‘custa um terço do Flamengo’, ‘50% do Fluminense’ e que está lá na pura valentia! Não há nada além de fazer um bom trabalho, ser valente e dar tudo que pode, no limite do que se pode dar, que no caso do Botafogo, não é muito. Não somos um time rico, somos um time deslumbrante. E isso tudo você leva para o estádio”.

A partida (ou vida) nunca está ganha

“Você leva também uma certa consciência de que nunca a partida está ganha. E isso para vida, também é importante. O botafoguense sempre acha, mesmo quando o time está ganhando por 3 a 0, que o jogo vai virar. E você está preparado para isso. Quando isso acontece na vida, você já tem uma certa tarimba, experiência. Já o flamenguista, acha que a vitória é obrigação, é dada, é destino manifesto. E, quando não acontece, é uma tragédia”.