O numerólogo Gilson Chveid Oen disse, em entrevista ao SporTV, que a inclusão do “H” no novo nome do Athletico-PR, anunciado em dezembro de 2018, criou um “efeito de perfeccionismo” nos jogadores dentro de campo, que conquistaram nesta temporada o Campeonato Paranaense e a Copa do Brasil. Em matéria divulgada nesta quarta-feira, ele sugeriu novos nomes para impulsionar clubes como Botafogo, Flamengo, Fluminense e Goiás.

– O nome Atlético, qualquer Atlético, sem H, manda uma ordem para o universo através de um campo de energia dizendo assim: “Universo, faça com que as coisas comecem bem, caminhem bem até o meio, mas do meio para o fim, encrenque tudo e torne as coisas difíceis”. Quando bota o H, isso some. Quando junta Athletico com Paranaense, cria um efeito nos jogadores de perfeccionismo. Não quer dizer que quem colocar H no nome vai se dar bem na vida. O H é que nem um ingrediente de comida, você pode botar doce de leite no meio da maionese? Não vai combinar – disse.

Botafogo

“O Botafogo, quando foi fundado, recebeu o nome Electro Club. Aí, anos depois, mudaram para Botafogo. Electro Club é um nome maravilhoso. Qual é o problema de voltar as raízes e dizer assim: “Quem vai jogar hoje é Electro Club x Flamengo”?

Flamengo

“O Flamengo, por exemplo, que é um nome relativamente bom, não é por eu ser flamenguista, ele melhoraria ainda muito mais se na camisa estivesse escrito Mengo com dois “o”: Mengoo.

Fluminense

“Quer fazer o Fluminense ficar bombado? Usa Fluminenses, no plural, mais nada.”

Goiás

“O Goiás, que não dá para ser Goianiense, porque já existe, dá para usar o Goiás Max, no subtítulo. Vai criar o mesmo efeito do Athletico-PR.”

Fonte: Redação FogãoNET