O futuro do Botafogo começa a ser definido hoje, com a eleição entre o candidato da oposição, Marcelo Guimarães (Chapa Preta e Branca, número 18), e o da situação, Nelson Mufarrej (Chapa Ouro, número 21). O vencedor terá um mandato de três anos, até o fim de 2020.

De um lado, Mufarrej representa a continuidade. Atual vice-presidente do clube, ele inverteria seu cargo com o atual presidente Carlos Eduardo Pereira, que, em caso de vitória, seria vice de do atual vice. Entre os conselheiros da chapa está o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Já Guimarães, ex-diretor de marketing do clube (entre 2009 e 2011), prega uma mudança no formato de gestão e no foco do futebol. O pilar principal de sua candidatura é a profissionalização das atividades-meio, o que inclui a contratação de um CEO a responder diretamente ao presidente. Seu vice é o promotor Mauro Sodré.

A campanha como um todo foi fria — ao contrário de outras no próprio Botafogo ou da do Vasco, ainda indefinida — e só atraiu mais interesse no final.

Novas regras

Esta eleição é a última realizada sob o antigo estatuto. Por permitir voto apenas aos sócios-proprietários, o eleitorado, apesar de ser o maior da história do clube, tem 2.015 pessoas. Em 2020, sócios-torcedores adimplentes poderão votar.

As urnas estarão abertas das 9 às 21 horas no Ginásio Oscar Zelaya, da sede de General Severiano. Pela primeira vez na história do clube, urnas eletrônicas, cedidas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), serão usadas na votação. A apuração, portanto, deve levar cerca de 30 minutos. O vencedor assume o clube apenas em 1º de janeiro.

A eleição de hoje também define os 140 membros do corpo transitório do Conselho Deliberativo. Caso os perdedores obtenham mais de 20% dos votos gerais, ganham o direito de escolher 14 conselheiros.

VEJA PROPOSTAS DOS CANDIDATOS

Fonte: Extra Online