Apesar do bom desempenho na Libertadores e da classificação às semifinais gerais do Campeonato Carioca (e também da Taça Rio), o Botafogo vive um dilema em 2017: como encaixar Camilo e Montillo de forma que ambos atuem no máximo de seus rendimentos. Até então, a dupla não conseguiu apresentar o grande futebol de outros tempos. Camilo, camisa 10 e principal articulador da temporada passada, é quem vem sendo sacrificado. Atuando mais aberto, ele admite que não se sente confortável.

– À vontade não (fico), claro que não. À vontade a gente nunca se sente, mas é um papel que o Jair recorre para poder fazer. Tem jogos que temos êxito. A gente tenta se movimentar e tem jogos que o “Monti” (Montillo) sai e eu vou para a minha posição. Vamos tentando e buscando melhor entrosamento, contando com recursos de jogadores que nos ajudam na frente, que são o Roger e o Pimpão. Eles fazem a gente ter mais homens na frente, diferente do ano passado, quando tínhamos três volantes. Está sendo diferente. O ataque está sendo positivo, com maior saldo de gols – disse.

Camilo e Montillo não conseguiram balançar as redes em partidas oficiais em 2017. Camilo acredita que a partir do momento que os gols acontecerem, a pressão será reduzida e o desempenho subirá naturalmente. O principal, segundo o maestro alvinegro, é que o coletivo tem fluído bem, conquistando bons resultados.

– É uma cobrança que fazem muito em termos de apenas dois jogadores, mas a gente joga no coletivo. Eu estou jogando fora da minha posição, um cara mais aberto, mais tático para a equipe. A gente vem desempenhando, vem tendo os resultados. Isso é importante. Quando os gols saírem, o meu gol, o do Montillo, a gente vai tirando esse peso. Temos que continuar fazendo esse trabalho que está sendo bem feito.

O meia ainda garantiu que o diálogo é aberto com o técnico Jair Ventura, mas que a opção de escalá-lo mais aberto vem do comandante, cabendo ao jogador respeitar e tentar executar da melhor forma possível dentro das quatro linhas. Mais uma vez o camisa 10 buscou salientar o coletivo do Glorioso.

Fonte: FutRio