Novo presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), o desembargador Fernando Antonio Zorzenon da Silva retirou a Cia. Botafogo do Ato Trabalhista, na qual havia sido incluída em janeiro impedindo a penhora de apartamentos do presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, e seu vice geral, Nelson Mufarrej. A empresa entrou no ato – que limita as penhoras a valor mensal – em 19 de janeiro nos últimos dias de mandato da antecessora de Zorzenon, Maria das Graças Viegas Paranhos.

Agora, a execução das penhoras volta para a 74ª Vara do Trabalho, que já havia autorizado a penhora de dois imóveis dos dirigentes na zona sul do Rio, a área mais nobre da cidade – em ação movida pelo ex-volante Túlio. Os cartolas também já sofreram bloqueio de valores em contas pessoais.

Além de Túlio, outros jogadores entraram com o pedido de reconsideração da decisão de Paranhos: Iran Andrielle, Daniel Correia, Renato Silva, Anselmo Junior, Anthony Menezes e Reinaldo Cruz. O valor histórico da ação, ainda a ser corrigido, é de R$ 1,2 milhão, de acordo com o advogado de Túlio, Theotonio Chermont de Brito. O Botafogo já está ciente da reviravolta e vai tentar, após o Carnaval, reverter a decisão.

Fonte: Blog Bastidores FC - Globoesporte.com