A torcida do Botafogo já gritou “queremos jogador” neste ano. Zé Ricardo tem se desdobrado para achar, no seu elenco reduzido, alternativas aos titulares lesionados. Nesta quinta-feira, contra o Resende, às 21h, no Estádio Nilton Santos, o a equipe alvinegra tenta uma vitória necessária para seguir vivo na Taça Guanabara sem quatro jogadores que já foram da formação inicial.

A última baixa foi o uruguaio Aguirre, que deve seguir para o futebol equatoriano e já se despediu dos colegas. Aguirre foi titular no empate com o Bangu, no lugar de Kieza, contestado pela torcida. O único centroavante no banco agora é Igor Cássio, promovido da base.

O zagueiro Carli e o meia Leo Valencia, titulares no último ano, se recuperam de problemas físicos e ainda não estrearam no Carioca. Valencia fez trabalho à parte no treino de ontem, assim como o meia Marcos Vinícius, outro que passa por recondicionamento. Carli está em fase de transição.

Outra peça fundamental no time, o meia João Paulo sofreu lesão na coxa direita contra o Flamengo, no sábado. Além de estar fora da partida de hoje, João Paulo deve ser desfalque na estreia pela Sul-Americana, na próxima quarta, contra o Defensa y Justicia (ARG), no Nilton Santos.

— Vão surgindo necessidades muito além do que a gente espera. Temos que buscar alternativas, e com isso vem a pressão pelos resultados — disse Zé Ricardo.

Único dos quatro grandes que ainda não venceu em três rodadas deste Carioca, o Botafogo ocupa a lanterna do Grupo C, com um ponto. Além de vencer o Resende hoje, no Nilton Santos, o Alvinegro precisará derrotar o Boavista na última rodada, domingo, em Saquarema, e torcer por tropeços de Bangu ou Cabofriense, que se enfrentam nesta quinta às 16h.

— Penso que seja difícil a classificação, mas ela passa por uma vitória. É tentar ter o controle do jogo o maior tempo possível — afirmou o treinador.

Fonte: Extra Online