O técnico do Botafogo-RJ, Oswaldo de Oliveira, está próximo de comandar o Santos na próxima temporada. O UOL Esporte apurou que o treinador superou Ney Franco, virou o preferido do Comitê Gestor do clube e, inclusive, já aceitou a proposta salarial oferecida pelo alvinegro praiano. Oswaldinho, como ficou conhecido no futebol, receberá R$ 400 mil mensais caso assine contrato após o término do Campeonato Brasileiro.

O anúncio oficial ainda foi realizado por dois motivos – faltam algumas tratativas finais de contrato e pelo fato do Botafogo ainda brigar pela Libertadores 2014 na reta final do Brasileiro. Os dirigentes santistas tentam manter o acordo em sigilo e até temem que o treinador desista do negócio caso a informação ganhe repercussão no Rio de Janeiro, pois foi o pedido de sigilo foi feito pelo próprio Oswaldo de Oliveira.

O treinador do Botafogo foi o escolhido em votação no Comitê e ganhou força devido aos empecilhos para a vinda de Ney Franco, que tem contrato com o Vitória, do Bahia, até o fim de 2014. Experiente e com perfil de montar times mais ofensivos e também fortes na marcação, o Oswaldo agrada bastante a cúpula. Além disso, o técnico tem fama de ser querido pelos atletas.

A cúpula santista só trabalhava com três nomes. Além de Oswaldo e Ney, o técnico Enderson Moreira também foi consultado. O treinador do Goiás, inclusive, foi o segundo mais votado na última reunião do Comitê Gestor para a definição do novo comandante santista para 2014.

A boa campanha do Goiás no Campeonato Brasileiro e até os títulos conquistados trabalhando em categorias de base levaram Enderson Moreira a ser cogitado na Vila Belmiro. Na visão dos dirigentes do Santos, apesar de estar iniciando à carreira assim como Claudinei Oliveira, o treinador do Goiás possui dois pontos a favor: prioriza os jovens talentos e arma esquemas táticos mais ofensivos.

Ney Franco, por sua vez, perdeu espaço por muitos motivos. Além da multa rescisória avaliada em 100 mil euros (aproximadamente R$ 300 mil), o treinador do Vitória quer trazer seus preparadores físicos de confiança. Mas o Santos está muito satisfeito com o trabalho de Ricardo Rosa, chefe do departamento físico do clube.

No entanto, o principal entrave foi Éder Bastos, auxiliar polêmico de Ney Franco. O profissional ganhou a fama de mandar até mais que o técnico.

Isso porque Ney Franco possui um método europeu de trabalhar. Ele vai pouco ao campo e só prioriza os treinos táticos. Sendo assim, o seu auxiliar comanda os trabalhos técnicos e recreativos e, por isso, acaba obtendo mais contato com o elenco.

Segundo alguns jogadores que trabalharam com a dupla, Éder Bastos influencia o treinador a escalar atletas de quem ele gosta. O volante Cícero, artilheiro do Santos na temporada 2013, com 21 gols, enfrentou problemas internos com o auxiliar de Ney Franco, quando os três defendiam o São Paulo.

Fonte: UOL