A Polícia Civil quer intimar o zagueiro do Botafogo, Marcelo Conceição Benevenuto, de 21 anos, após uma denúncia de agressão, feita pela namorada dele, no último domingo (2). De acordo com o delegado Paulo Castelo Branco, da 10ªDP (Botafogo), no registro de ocorrência feito pela mulher, ela alega ter recebido socos no rosto, após uma discussão com o jogador motivada por ciúmes.

“O pessoal já foi às ruas para intimar o Marcelo para vir depor aqui, e intimar o clube também para requisitar as imagens, porque a violência teria sido praticada, em tese, ao redor do clube. Vamos pegar as imagens das câmeras de segurança que tenham captado o momento da agressão pra continuarmos a avançar a investigação. No primeiro momento, o que há é a palavra da vítima”, explicou o delegado ao G1 nesta quinta-feira (6).

Segundo a Polícia, a jovem de 26 anos foi até o clube entregar algum objeto ao jogador. Em seguida, houve algum desentendimento entre o casal e ele teria um soco nela. “Ele teria pedido pra ela não chamar a Polícia Militar pra conduzi-lo pra delegacia, mas, de alguma maneira ela estava querendo chamar. Quando a polícia chegou ao local, ele já tinha ido embora”, destaocu Paulo Castelo Branco.

A expectativa, segundo o delegado, é de que Marcelo vá à delegacia prestar depoimento ainda na próxima semana. A polícia também requisitou um exame de delito para documentar as lesões corporais praticadas.

“Num primeiro momento não há subsídios mínimos para incitar formalmente a culpabilidade do Marcelo ou não. Vamos intimar pra ele ser ouvido, explicar se foi isso mesmo, se existiu essa agressão, se ele reagiu a uma agressão também”, completou.

De acordo com o registro de ocorrência, a namorada do jogador não informou se houve alguma situação de agressão anteriormente. O delegado informou ainda que a ida ao Instituto Médico-Legal deve partir da próxima vítima, mas se a vítima estivesse em uma situação de completa vulnerabilidade, a polícia a levaria ao IML para realizar o exame.

Segundo o delegado, não há testemunhas do crimes, apenas as prováveis imagens das câmeras de segurança do clube. Caso seja confirmado o crime, o jogador pode responder pelo crime de lesão corporal qualificada, dentro da Lei Maria da Penha, com pena mínima de um ano e máxima de três anos.

Fonte: G1