Obras para Olimpíada-2016 serão com Engenhão aberto

Compartilhe:

Palco das provas de atletismo na Olimpíada-2016, o Engenhão precisará passar por obras para adicionar 15 mil lugares provisórios à capacidade atual de 45 mil. Hoje, o estádio vive um processo de reparo estrutural da sua cobertura, que se estenderá por um mínimo de 18 meses. Segundo a Prefeitura do Rio, entretanto, as atuais obras não atrapalharão as adequações para 2016, que serão realizadas posteriormente, com o estádio aberto.

“É um compromisso que nós temos com as Olimpíadas, mas não para este momento. São instalações provisórias, que podem ser executadas com o estádio aberto. Não há problema em fazer isso um pouco mais à frente”, garantiu o secretário municipal de obras do Rio, Alexandre Pinto.

Entenda o caso

Inaugurado em 30 de julho de 2007, o Engenhão foi interditado em 26 de março de 2013, após a verificação de problemas na cobertura que poderiam comprometer a integridade do estádio. Na época da construção do estádio, Delta, Racional e Recoma foram as empresas responsáveis pela primeira parte das obras.

No mesmo ano, as três empresas deixaram a obra ao afirmar que não tinham mais condições de fazer a cobertura do estádio. Sob a forma de Contrato de Emergência, a Prefeitura do Rio de Janeiro contratou o Consórcio Engenhão, formado por OAS e Odebrecht, para finalizar a cobertura e, consequentemente, o estádio a tempo dos Jogos Pan-Americanos.

Ao assumir a construção, o Consórcio Engenhão encontrou o projeto da cobertura, desenvolvido pelo engenheiro Flávio D´Alembert, da empresa Projeto Alpha, 100% concluído, com todos os materiais necessários já comprados e 25% da própria cobertura já montada. No dia 30 de junho de 2007, o Engenhão foi inaugurado com um clássico entre Botafogo e Fluminense.

Em 26 de março deste ano, a Prefeitura decidiu interditar o estádio temporariamente após a apresentação de laudo da empresa alemã SBP que indicou problema na estrutura do estádio e possibilidade de desabamento em caso de ventos a partir de 63 km/h. Os arcos das partes Oeste e Leste da cobertura do estádio tiveram deslocamento 50% maior ao projetado inicialmente, após a retirada das escoras. Posteriormente, um laudo da empresa inglesa RWDI constatou que haveria riscos à estrutura apenas em caso de ventos superiores a 115 km/h. Diante da indefinição, o estádio continuou fechado.

O Botafogo foi responsável pelo estádio até maio, quando o contrato válido até 2027 foi suspenso pela Prefeitura. Com a reabertura prevista para o final de 2014, o clube deverá retomar a concessão

Fonte: ESPN.com.br

Comentários