Reforço, Dankler esquece problemas: ‘Vou chegar voando’

Compartilhe:

Depois de quase um ano sem jogar por causa de uma desavença com o Vitória, o Botafogo surgiu no caminho do zagueiro Dankler como a oportunidade voltar a fazer o que mais gosta. Como ainda tem contrato com a equipe baiana até o dia 14 de julho, ele ainda terá que esperar mais um pouco para ser confirmado como reforço e vestir pela primeira vez a camisa do Glorioso.

O defensor, de 21 anos, que é casado e tem o filho Kenzo Luis, de um ano, está ansioso para conhecer seus novos companheiros, como Seedorf e os jogadores da zaga alvinegra, como Bolívar e Dória. Confiante, Dankler acredita que tem totais condições de lutar de igual para igual pela vaga de titular.

– Estou bastante ansioso para chegar no Rio e voltar para o campo o mais rápido possível. Espero ajudar o Botafogo a conquistar títulos. Tenho assistido aos jogos, observando a forma de o time jogar. Estou animado para ter estes jogadores experientes ao meu lado. Sou novo e tenho muito a aprender. Não vejo a hora de me juntar ao grupo. Vou brigar pelo meu espaço, tenho condições, assim como todos – disse por telefone ao GLOBOESPORTE.COM.

Dankler espera se encaixar bem e rapidamente no vitorioso time do Bota, campeão carioca deste ano e atual terceiro colocado do Brasileirão. Ele avisou que, apesar de estar há muito tempo sem jogador, não descuidou da parte física e chegará em General Severiano “voando”.

– Vou entrar em um time que já está jogando junto há algum tempo, e isso facilita. Venho treinando no Barradão e fazendo um trabalho físico por fora também. Fisicamente vou chegar voando. Quando me apresentar, vou levar todo o relatório.

O jogador comentou a confusão com o Vitória, que passou a não utilizá-lo depois que não chegaram a um acordo de renovação de contrato. Ele queria um salário de profissional, e o clube não aceitou. Dankler contou que viveu momentos difíceis longe do gramado. Apesar de ter tido propostas do Sporting-POR e do Real Sociedad-ESP, ele não conseguiu a liberação.

– Agosto faz quase um ano que não jogo, a última partida foi contra o São Caetano, pela Série B. Depois, me colocaram na geladeira porque eu não cheguei a um acordo de renovação. O valor não era bom para mim, não sou obrigado a renovar. Queria salário de profissional, e não de base. Foi um dos piores momentos da minha vida. Se não tivesse minha família ao lado, talvez tivesse largado.

A diretoria da equipe baiana não gostou nada de saber que o atleta já está acertado com o Botafogo. Epifânio Carneiro, diretor de futebol de base, disse que o clube colocava muita esperança nele, que deixou o Vitória pela porta dos fundos.

– Fico chateado, mas tenho a consciência limpa. Não concordo que esteja deixando o clube pela porta dos fundos. O Vitória sabe que eu estava disposto a renovar, mas disseram que eu não poderia receber mais do que os outros da base. Não era um bicho de sete cabeças. Fico chateado porque é o clube que amo. Me calei por um ano.

O técnico Oswaldo de Oliveira passará a contar com sete zagueiros no grupo principal do Botafogo. Além de Dankler, ele tem à disposição Bolívar, Dória, Antônio Carlos, André Bahia, Rodrigo Defendi e Matheus.

Fonte: Globoesporte.com

Comentários