Menos de quatro meses de 2017 e o Botafogo já enfrentou mais obstáculos do que muitos clubes ao longo de um ano inteiro. Foram lesões, problemas de grupo e uma sequência de adversários difíceis com pouco tempo de preparação durante a pré-Libertadores. Mesmo assim, ao longo de todo o percurso, o time se superou e conseguiu impedir que as dificuldades superassem a vontade apresentada durante todo o ano pela delegação alvinegra. Hoje, o clube enfrenta seu grande desafio na Libertadores — talvez no ano: jogar contra o atual campeão. Fora de casa. A sorte do torcedor é que, até aqui, o alvinegro nunca se deixou abalar pelas dificuldades. Mesmo com a eminência de uma crise batendo à porta várias vezes, conseguiu resolver seus problemas sem que eles interferissem no desempenho dentro das quatro linhas.

A façanha se deve, em boa parte, à habilidade do treinador Jair Ventura de gerenciar os problemas no elenco, principalmente os com o meia Camilo e o atacante Sassá.

Tudo isso sem falar das lesões que o grupo teve até aqui. Montillo, Airton e Marcelo — três jogadores importantes e titulares — sequer viajaram com o grupo para a Colômbia para se recuperarem de dores. Esse é um problema que o clube enfrenta constantemente desde o ano passado e fez com que o chefe do departamento médico fosse demitido.

Nas outras duas partidas fora de casa nesta Libertadores, o Botafogo perdeu um meia em cada devido a dores: Camilo, contra o Colo-Colo e Montillo, contra o Olimpia. Mesmo assim, conseguiu sempre ir em frente.

Por isso, mesmo diante dos evidentes obstáculos que o alvinegro enfrentará, o botafoguense tem motivos para ser otimista. O retrospecto da temporada até aqui mostra que, se há uma característica desse grupo, é a facilidade em enfrentar grandes problemas.

Fonte: Extra Online