BOTAFOGO 1 x 0 VASCO.

Com dez dias de treinos, Vanderlei Luxemburgo deu organização ofensiva ao time.

E com ela vieram volume e intensidade.

E se ele tivesse a malandragem que pede aos jogadores, teria se aproximado de Maxi López e convencido o atacante a seguir na batalha.

O Vasco sente falta de um nove de peso e, apesar da bom jogo de Tiago Reis, perdeu um duelo em que foi superior, por falta de presença na área.

E não se esqueçam de que o Botafogo de Eduardo Barroca tem hoje um padrão de jogo competitivo, eficiente e vistoso.

O 4-1-4-1 adquiriu força ofensiva e equilíbrio, com Cícero e João Paulo por dentro, Luiz Fernando e Erick pelos lados e Diego Souza de pivô.

E dentro de suas limitações tem jogado melhor do que a maioria.

Ainda assim, o Vasco de Vanderlei conseguiu gerar desconforto, até que o lindo gol de Diego Souza pusesse o Botafogo em vantagem.

À partir daí, o time de Barroca controlou o jogo e o Vasco voltou à mediocridade habitual de um time que não tem um meia que pense o jogo.

O Botafogo caminha acima das expectativas e, aos poucos, vai dando rodagem a jovens promovidos da base.

E o Vasco, sem Fernando Miguel, Castan, Bruno César e Maxi López é um time de jogadores de Série B com enxertos da base…

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira - Extra Online