Em crise dentro e fora de campo, especialmente por causa dos dois meses de salários atrasados — que na quinta-feira foi motivo de um pronunciamento público dos atletas do elenco —, o Botafogo inicia amanhã, contra o Atlético-MG, no Estádio Nilton Santos, uma sequência de jogos complicados. Sem vencer há três jogos no Campeonato Brasileiro e com apenas um ponto somado dos últimos nove, o Alvinegro se afastou um pouco do G-6 (em décimo, com 23 pontos, quatro a menos que o Internacional).

Além do Atlético-MG, quinto melhor visitante da competição e sétimo colocado, mas com os mesmos 27 pontos do Internacional, o Botafogo terá na sequência três dos seus quatro confrontos longe do Rio de Janeiro: diante do Ceará, sábado, pela 19ª rodada; Bahia, dia 25 (21ª); e Fortaleza, dia 29 (22ª). Neste meio tempo, o único jogo em casa será contra o São Paulo, quarto colocado, no dia 21, pela 20ª rodada.

No caso dos duelos no Nilton Santos com mineiros e paulistas, o maior motivo de preocupação se deve ao fato de o Botafogo ter ganhado apenas um jogo contra equipes acima dele na tabela. O único triunfo foi sobre o Athletico por 2 a 1, em 11 de agosto, pela 14ª rodada.

Para se reencontrar com as vitórias, o Botafogo também precisará quebrar um incômodo retrospecto recente contra o Atlético-MG. O Alvinegro vem de três derrotas e duas vitórias diante dos mineiros nos últimos cinco jogos. São três pelo Campeonato Brasileiro e dois pela Copa Sul-Americana, quando os cariocas foram eliminados nas oitavas de final.

Mais do que nunca, o apoio da torcida será fundamental para o Botafogo conseguir os três pontos amanhã.

Fonte: Extra Online