Botafogo volta ao Batistão pelo Brasileirão após 20 anos

Compartilhe:

Não faz muito tempo que o Botafogo esteve no Batistão. O último encontro do clube com o maior estádio de Sergipe foi há dois anos, pela Copa do Brasil, quando o time que tinha Loco Abreu no ataque foi derrotado pelo River Plate por 1 a 0. Nesta quarta-feira, os botafoguenses voltam para Aracaju para encarar o Bahia, às 22, desta vez em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro, 4ª rodada.

Esta não é a primeira vez que o time de General Severiano disputa partidas de Campeonato Brasileiro no Batistão. Nas décadas de 70 e 80, quando os clubes ainda não eram separados por divisões no Campeonato Brasileiro, o Botafogo enfrentou clubes sergipanos pelo torneio nacional.

Os cariocas levaram larga vantagem nos confrontos. Mas em 1974 o Itabaiana conseguiu um feito lembrado até os dias atuais pelos torcedores ceboleiros. O Tricolor derrotou o Bota no Batistão por 2 a 1, na primeira fase da competição.

Confiança e Sergipe não tiveram a mesma sorte que o Tremendão. Quando encararam o Botafogo pelo Nacional, foram derrotados. O GLOBOESPORTE.COM fez um levantamento de alguns desses jogos marcantes e conta detalhes sobre eles.

Itabaiana venceu o Botafogo em 1974 (Foto: Arquivo/Matheus Lima)Itabaiana venceu o Botafogo em 1974 (Foto: Arquivo/Matheus Lima)

1972: Sergipe é o primeiro adversário sergipano do Bota

O ano era 1972 e o Campeonato Brasileiro começava a se consolidar. Na época o esporte bretão no Brasil ainda não era separado da primeira à quarta divisão, e tinha fórmulas de disputa bem diversas da atual.

O Sergipe representou o Estado na competição e enfrentou equipes de ponta do futebol brasileiro, como São Paulo, Palmeiras, Grêmio, Santos, Vasco e Botafogo. O encontro com os botafoguenses aconteceu apenas na 15ª rodada, no Batistão, em Aracaju. A partida aconteceu no dia 29 de outubro, com vitória dos cariocas por 1 a 0. Apesar de ter craques como Jairzinho, Zequinha e Ferreti no ataque, o time não conseguiu marcar gols nos sergipanos. O tento da vitória foi contra, marcado por Zé Oto. O Botafogo foi vice-campeão neste ano, perdendo o título para o Palmeiras.

1983: Novo encontro com o Sergipe

Onze anos mais tarde, o Botafogo teve um novo encontro com o Sergipe no Batistão. A partida foi válida pela segunda fase do Campeonato Brasileiro. Na primeira fase da competição, o Sergipe caiu no grupo C, que ainda tinha São Paulo, Sport, América-RN e Galícia. Após campanha razoável os sergipanos avançaram.

Na etapa seguinte do Nacional, o Sergipe não conseguiu o mesmo êxito. O time caiu em um grupo complicado, com Grêmio, Botafogo e América-RJ e terminou sua participação no Nacional como o lanterna da chave. Os clubes se enfrentaram em turno e returno para que os dois melhores avançassem.

No dia 3 de abril de 83, quem foi ao Batistão viu o Sergipe sofrer uma sonora goleada para os botafoguenses por 6 a 2. Os gols de honra do Sergipe foram marcados por Mica. Robson deu uma mãozinha aos botafoguenses e marcou contra. Jerson (1), Geraldo (1), Lupercínio (1) e Té (2) completaram a goleada. Mesmo com o triunfo com placar elástico, o Bota ficou em terceiro na chave e foi eliminado.

1978: O Confiança também não teve sorte contra o Botafogo

Assim como o rival colorado, o Confiança não teve muita sorte em confrontos com o Botafogo no Batistão, pelo Campeonato Brasileiro. Azulinos e botafoguenses se encontraram no Lourival Baptista ainda na primeira fase. Ambos estavam no grupo D. A partida aconteceu no dia 2 de maio de 1978, válida pela 12ª rodada da primeira fase. Os cariocas venceram o jogo por 1 a 0, gol marcado pelo zagueiro Renê.

Na classificação geral do grupo na primeira fase, o Confiança ficou em 9º, com cinco pontos. O Botafogo caiu na terceira fase. Naquele ano, o campeão foi o Guarani de Campinas.

1974: Feito histórico do Tricolor

O ano de 1974 foi histórico para o futebol sergipano. É que o Itabaiana conseguiu o feito de ‘vingar’ os conterrâneos derrotando o Botafogo em pleno Batistão naquele Brasileirão de 1974. O jogo terminou em 2 a 1 para os ceboleiros.

A partida aconteceu no dia 13 de abril e era válido pela primeira fase da competição nacional. Catarina abriu o placar para os itabaianenses aos 34 do primeiro tempo. Ainda na primeira etapa Nilson Dias igualou para os cariocas, aos 42. Na etapa complementar o gol do triunfo do Tremendão foi anotado por Duda, aos 36.

A vitória sobre o time da elite do futebol nacional ganhou grande destaque na história tricolor. Desde então, o Itabaiana carrega a marca de ser o único time sergipano a derrotar o Botafogo no Batistão em campeonatos brasileiros.

Itabaiana derrotou o time alvinegro por 2 a 1 no Brasileiro (Foto: Arquivo/Matheus Lima)Itabaiana derrotou o time alvinegro por 2 a 1 no Brasileiro (Foto: Arquivo/Matheus Lima)

Apesar do triunfo, o Itabaiana não guarda outras grandes recordações daquele Brasileiro, caindo ainda na primeira fase. Dos 20 clubes que compunham o grupo A, o time sergipano teve a segunda pior campanha, com cinco vitórias, nenhum empate e catorze derrotas.

No livro Itabaiana-Da Gênese ao Penta, o professor e pesquisador Manoel Aelson Góes retrata bem o que significou aquele momento para o clube da Serra.

“A Associação Olímpica de Itabaiana enfrentaria mais uma equipe do Rio de Janeiro, Desta feita o glorioso Botafogo. Com os atuais resultados conquistados pelo ‘Tremendão da Serra’ na competição,quando em seis jogos colheu apenas uma vitória, as esperanças de vitória diante do Botafogo estavam praticamente reduzidas às cinzas. Mas o futebol é composto de elementos inexplicáveis. No futebol nem sempre a agremiação mais forte, a equipe favorita, sai de campo vitoriosa (…) surpreendentemente o azarão venceu por 2 a 1 (…) Esta foi uma vitória relevante para a história da Associação Olímpica de Itabaiana por se tratar de um grande, de um famoso e prestigiado adversário…”

itabaiana 2 x 1 botafogo-rj
campeonato brasileiro (13/04/1974)
Carlinhos, Edson Scott, Paulo (Tota), Assis e Messias; Cagnani, Gustinho, Catarina, Gaúcho, Tática e Duda. Da Costa, Miranda, Osmar, Jair e Mauro Cruz; Roberto Carlos (Puruca), Nei Conceição, Carlos Roberto; Ademir, Nilson Dias e Fisher.
Gols: Catarina 34’1T, Nilson Dias 42’1T e Duda 36’2T

 



Fonte: Globoesporte.com
Comentários