Encarar uma equipe de menor expressão nas oitavas de final da Copa do Brasil geralmente é comemorado pelas grandes equipes. Afinal, jogar contra um adversário mais frágil tecnicamente, em tese, traz mais probabilidades de passar de fase. No entanto, se olharmos para a história recente do torneio, veremos que enfrentar uma “baba” logo no começo não é algo para ser comemorado.

Desde que a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), em 2013, adotou o sistema de sorteio para definir os confrontos das oitavas de final da competição, os times que cruzaram com as equipes consideradas tradicionais conseguiram bons resultados. Já quem não teve tanta dificuldade assim, ficou no caminho e nunca ganhou a taça.

Em 2015, o Palmeiras enfrentou logo nas oitavas de final o Cruzeiro. Com vitórias em São Paulo (2 a 1) e Minas Gerais (3 a 2), a equipe então comandada por Marcelo Oliveira avançou para as quartas de final. Depois, passaria por Internacional e Fluminense até enfrentar o Santos na final e conquistar o título.

O Santos, que enfrentou o campeão Palmeiras na final, também não teve nenhuma moleza nas oitavas de final e conseguiu avançar até a decisão. Encarou de cara um clássico regional contra o Corinthians e venceu as duas partidas, a primeira na Vila por 2 a 0 e a segunda em Itaquera por 2 a 1.

Já quem enfrentou as “babas” não se deu bem. O São Paulo jogou logo de cara o Ceará. Perdeu a primeira partida no Morumbi por 2 a 1 e se recuperou no Castelão vencendo por 3 a 0. No entanto, após vencer o Vasco nas quartas, parou no Santos na semifinal.

Os outros exemplos são Fluminense e Internacional. Ambos enfrentaram equipes sem tradição – Paysandu e Ituano, respectivamente. Os gaúchos, após passarem pela equipe de Itu, pararam no Palmeiras na fase seguinte. Já o Fluminense até passou do Grêmio nas quartas, mas também parou no Palmeiras, só que na semi.

Em 2014, roteiro muito semelhante. O Atlético-MG, campeão, só enfrentou “pedreiras” no caminho do titulo. Palmeiras nas oitavas de final, Corinthians nas quartas e Flamengo na semifinal. O Cruzeiro foi o único que fugiu à regra. Enfrenou o pequeno Santa Rita-AL nas oitavas e mesmo assim conseguiu chegar na final.

No mesmo ano, o Atlético-PR foi eliminado para o América-RN,que brigava contra o rebaixamento para a Série C, o Vasco caiu para o ABC-RN e o Botafogo passou do Ceará, mas foi eliminado para o Santos. O Corinthians enrentou o Bragantino nas oitavas, passou e foi eliminado pelo campeçao Atlético-MG.

Mais atrás, no ano de 2013, o flamengo, que se sagrou campeão, enfrentou e eliminou o Cruzeiro líder do Campeonato Brasileiro. Já quem pegou os mais fracos, dançou. O Inter passou do Salguerio, mas caiu nas quartas para o Atlético-PR. Já o Corinthians, que eliminou o Luverdense, cairia para o Grêmio também nas quartas.

Neste ano, o sorteio repete o esquema dos anos anteriores. No pote 1, Atlético-MG, Corinthians, Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos e São Paulo. Já no pote 2 estão Fortaleza, Atlético-PR, Botafogo, Botafogo-PB, Fluminense, Juventude, Ponte Preta e Vasco.

A definição dos confrontos irá ocorrer nesta terça-feira, às 11h (de Brasília), na sede da CBF. Em seguida, às 12h30 (de Brasília), serão definidos os mandos de campo e a ordem dos confrontos.

Com esse histórico, vai torcer para seu time pegar uma “moleza” ou um adversário duro logo de cara?

Fonte: ESPN.com.br