A postura tranquila e a desenvoltura na fala parecem de um veterano, mas, sentado na sala de imprensa de General Severiano estava Marcinho, de 19 anos, uma das apostas da base do Botafogo para a temporada.

– Eu estou um pouquinho nervoso, mas não é um bicho de sete cabeças, até porque tem muitas cabeças aqui – brincou o agora lateral-direito se referindo aos muitos jornalistas no local.

Aos 16 anos, Marcinho foi dispensado da base do Flamengo. Depois de quatro meses “refletindo”, fez testes no Botafogo e foi efetivado.

A principal mudança de rumo na carreira aconteceu na metade do ano passado, quando o técnico Maurício Ferreira, do sub-20, transformou o meia-atacante em lateral-direito. O improviso de então se tornou a grande chance do jogador no profissional.

– Eu subi como lateral, mas, se precisar, jogo até de zagueiro. Só não sei agarrar – disse Marcinho, que aponta a batida na bola como sua principal virtude. – A dificuldade é na hora da marcação, mas a gente vai melhorando com trabalho. O técnico Ricardo Gomes já me orienta.

Determinado, o jogador diz sonhar todas as noites com a torcida alvinegra gritando o seu nome. Para chegar lá, segue como exemplo o goleiro Jefferson, unanimidade quando o assunto é referência no elenco do Botafogo.

– A gente olha para ele e fala: “É o cara, o número um da seleção”. É muito bom ver o quanto ele trabalha – explicou o lateral.

Mas o companheiro de clube não é o único ídolo de Marcinho:

– Eu adoro o Cristiano Ronaldo. Ele é o cara, e eu tento me espelhar nele.

Fonte: Extra Online