O casamento começou com turbulência: o Botafogo flertava com a zona de rebaixamento e o anterior, Ricardo Gomes, acabara de pedir demissão. Por isso, a lua de mel demorou sete meses para chegar. Mas agora Jair Ventura está no céu: tem o nome gritado pela torcida, é elogiado pela imprensa e está em alta com a diretoria.

Entre os jogadores, sua popularidade é ainda maior: ele preza a meritocracia, diz que todos os jogadores têm chances de entrar em campo e que o esforço é o que conta. Costuma dizer que, independente do salário, joga sempre quem estiver num melhor momento. O efeito nos atletas é visível: nos treinamentos todos os jogadores dão o máximo de si, pois sabem que têm chances de ganhar uma vaga entre os titulares.

Assim como Cristóvão Borges, ex-técnico do Vasco, Jair foi auxiliar de Ricardo Gomes — o filho de Jairzinho era auxiliar permanente do clube até ser efetivado no posto principal. Antes, foi preparador físico, técnico da equipe sub-20 e chegou a treinar o time principal de forma interina em 2010. Depois de ser demitido pelo então presidente Maurício Assumpção em 2013, retornou na gestão de Carlos Eduardo Pereira. Quando Ricardo Gomes deixou a equipe a diretoria apostou no auxiliar. Não se arrependeu.

Fonte: Extra Online