Identificado com o Botafogo, onde foi campeão carioca em 2013, o “General” Bolívar como foi apelidado no Internacional está vivendo o processo de aposentaria dos gramados. Com uma carreira de muitos títulos como o Bicampeonato da Taça Libertadores (2006 e 2010) pelos gaúchos, Bolívar vibrou com o retorno do Alvinegro à primeira divisão do futebol brasileiro em 2016.

“É um momento feliz. Me identifiquei com o clube e ver o Botafogo na Série B era triste demais. Vai retornar como um dos grandes do Brasil. Estou contente em ver o Fogão na primeira divisão de novo” afirmou Bolívar, que comentou a reformulação que está acontecendo para a próxima temporada.

“Acho que a diretoria está no caminho certo adotando uma mentalidade correta de captação de reforços. A gente sabe que a crise é geral em todos os clubes. Não só o Botafogo, mas a grande maioria dos clubes encontram um cenário complicado. O presidente atual conseguiu fazer uma boa administração na parte financeira e dentro de campo. Foi uma pessoa que conseguiu solucionar um pouco dos problemas do clube. Tomara que montem uma equipe forte para que o Botafogo fique entre os quatro primeiros”.

O ex-zagueiro lamenta que a crise que atravessa o Brasil interfira diretamente nas finanças do futebol brasileiro.

“O pais vive um momento complicado. O reflexo vai ser visto também nos estádios e nos investimentos no futebol. Nós sabemos que um bom jogador tem uma vida privilegiada, mas a crise afeta muito o panorama dos clubes atualmente” disse Bolívar, que revelou a questão pessoal de dívidas do Botafogo com ele na gestão Maurício Assumpção.

“Tive duas audiências e acabei ganhando a causa, mas isso é uma coisa que só vou receber lá na frente. Fiquei 9 meses sem FGTS, direitos de imagem, entre outros… É muito chato, não queria chegar a ponto de colocar o clube na justiça, mas era a única maneira de receber o que tenho direito”

Aposentadoria

Depois de ter o contrato rescindido pelo presidente Maurício Assumpção em outubro de 2014, Bolívar na atual temporada disputou o Campeonato Gaúcho pelo Novo Hamburgo e depois jogou três meses pela Portuguesa, em São Paulo. Após deixar o clube paulista ele diz que sua carreira a partir de agora está sendo fora das quatro linhas.

“Estou gerenciando alguns jogadores, entrando nesse meio que é muito concorrido de empresariar atletas. Conheço muitas pessoas influentes que acabam me facilitando em alguns aspectos. Estou me dedicando a isso agora abrindo meu escritório em porto alegre. Mesmo não jogando quero estar no futebol fazendo o que gosto” explicou o ex-zagueiro ao falar com carinho da aposentadoria.

“Sou um cara que me cuido muito, aqui em Porto Alegre as pessoas me param e perguntam porque eu não estou jogando e explico que tenho que definir o meu futuro. Sem dúvida a minha carreira foi brilhante e deixei muitas alegrias e amigos pelos campos do Brasil” finalizou.

Fonte: Super Rádio Tupi