Fora da lista de inscritos do Palmeiras no Paulistão, o meia Guerra é o jogador mais assediado do elenco. De acordo com a diretoria alviverde, nove clubes brasileiros demonstraram interesse no venezuelano desde o início da janela de transferências.

São eles: Fluminense, Botafogo, Grêmio, Internacional, Bahia, Ceará, Chapecoense, Atlético-MG e Athletico.

A resposta palmeirense foi idêntica para todos: o presidente Mauricio Galiotte gostaria de recuperar pelo menos uma parte dos R$ 10 milhões investidos na compra do meia junto ao Atlético Nacional, da Colômbia, no fim de 2016. Detalhe: o contrato termina em dezembro e o atleta, de 33 anos de idade, já poderá assinar um pré-contrato a partir de julho.

Todos os nove interessados pediram Guerra sem custos, por empréstimo. Alguns deles chegaram a solicitar ajuda do Palmeiras no pagamento dos salários, superiores a R$ 350 mil por mês.

Publicamente, para não desvalorizar o venezuelano, o Palmeiras alega que ainda aguarda uma definição da comissão técnica sobre seu aproveitamento. Mas os espaços para Guerra, que já eram poucos em 2018, ficaram ainda mais reduzidos depois das chegadas de Zé Rafael, do Bahia, e Raphael Veiga, que estava emprestado ao Atlhetico Paranaense.

Zé Rafael já foi inscrito no Paulistão, enquanto Raphael Veiga finaliza um processo de recuperação – ele voltou das férias reclamando de dores. Por causa da presença do Athletico na final da Sul-Americana, ele só entrou em férias em 12 de dezembro.

Fonte: Blog do Jorge Nicola - Yahoo! Esportes