O alvinegro deixou a comemoração pelo retorno à Libertadores de lado e deu lugar à apreensão. No caminho do Botafogo, um clube com muito mais tradição no torneio sul-americano. No mata-mata da primeira fase da competição, a equipe terá de passar pelo chileno Colo Colo — a segunda partida será em Santiago —, um dos dez times que mais participaram do torneio continental, em sua 32ª aparição. Os cariocas conseguiram um lugar apenas pela quinta vez na história.

Porém, o campeão de 1991, sob o comando do croata Mirko Jozic, não chega a ser um bicho-papão nos tempos atuais. Por mais que estejam acostumados ao chamado “jogo de Libertadores”, os chilenos não têm ido muito longe na competição. Nas últimas seis participações – ficou fora das edições de 2014, 2013 e 2012-, caiu em todas na fase de grupos. Este ano, terminou em terceiro no grupo formado por Atlético-MG, Independiente del Valle (EQU) e Melgar (PER).

A última vez que chegou às oitavas de final foi em 2007, mas acabou eliminado pelo América-MEX. Além disso, será a sua estreia na fase preliminar no sistema mata-mata, pois conquistou a vaga com o título da Copa do Chile neste mês. No torneio Clausura da atual temporada, o time terminou em quinto lugar.

Apesar do ano irregular, o “El Cacique” ensaia um recomeço aos bons tempos, após um jejum de quatro temporadas sem títulos nacionais. A retomada teve início em 2014, com a conquista do Clausura. Em janeiro deste ano, levantou a taça do Apertura 2015, a 31ª taça da história. No elenco, o destaque é o experiente atacante Esteban Paredes, convocado para a seleção do país, que disputará a Copa da China, em janeiro.

Se superar os chilenos, o caminho continuará árduo. Na terceira fase, o alvinegro pode enfrentar o paraguaio Olímpia, com sete finais de Libertadores e três títulos, mas cujo auge foi há três anos, quando perdeu o título para o Atlético-MG.

Fonte: O Globo Online