entino, mais rodado, veio de temporada na China. O equatoriano, ainda jovem, chegou ao Rio após se destacar na Libertadores. O botafoguense ainda busca seu gol em jogos oficiais, passando perto em outras oportunidades. O tricolor já balançou as redes três vezes, e tem um velho conhecido pela frente. O duelo à parte entre Montillo e Sornoza, dois dos comandantes do meio-campo de Botafogo e Fluminense, é um dos aperitivos do Clássico Vovô desta quinta, às 21h45, no Estádio Nilton Santos.

No caso de Montillo, a bola tem teimado em não entrar. No jogo contra o Volta Redonda, viu o zagueiro rival – Luan – salvar em cima da linha. No Vasco, teve pela frente um Martin Silva inspirado. Mas nada que preocupe Jair Ventura:

– Sabe o que está faltando? O gol. Se o Martin não pega aquela bola do Montillo, ele estaria em todas as capas de jornais. Mas o jogador também pode ser importante sem o gol. Depois ela entrar… está para sair – destaca o técnico.

Sem Gustavo Scarpa, Sornoza tem suprido a ausência do meia e comanda as ações do meio. Na temporada, balançou a rede três vezes, além de quatro assistências. E Abel quer o Fluminense novamente ofensivo no Clássico Vovô.

– Só jogamos dois clássicos. Para enfrentar o Botafogo, a dedicação tem que estar alta. Vai ser legal que são duas equipes com moral elevado. Não vamos abdicar dos três atacantes. Espero o Sornoza bem também – disse o técnico.

Fases distintas, mas com a mesma missão. Montillo e Sornoza são grandes esperanças no clássico desta quinta-feira entre Botafogo e Fluminense.

Fonte: Terra