Uma campanha que começou promissora, beirando o G-4 do Campeonato Brasileiro, teve momentos delicados, como a entrada do Botafogo na zona do rebaixamento, mas voltou a se estabilizar com a força da torcida na reta final. Para o ex-presidente Carlos Augusto Montenegro, os botafoguenses foram o diferencial este ano.

– Pelos cálculos, ainda tem 1%, mas com a nossa torcida o risco é zero. O Botafogo sofreu de tudo esse ano, tudo. Falta de dinheiro o ano todo. Não pudemos reforçar o elenco. Perdemos jogadores importantes como o Erik e não pudemos repôr. Fizemos o possível e o impossível. Tivemos vários jogadores machucados, como o Gilson. Ontem ainda tivemos essa coisa lamentável com o João Paulo, mas sempre que as coisas vão ficando mais difíceis, a torcida entra no lugar daquele jogador e empurra o tempo todo – elogiou Montenegro, que vai assistir ao jogo contra o Internacional no meio da torcida.

– Já havia conversado com várias pessoas de torcida. A torcida sem dúvida foi o grande herói (sic) dessa campanha. Eu espero vê-la sábado. Já prometi, quero ver o jogo na Leste Inferior, naquela bagunça, para agradecer a todas as torcidas, todos os torcedores que fizeram com que o Botafogo saísse de várias situações difíceis. Eu fico pensando que o Botafogo em 13º, pode colocar 30, 35 mil no Niltão sábado – projetou à Rádio Brasil.

Botafogo e Internacional se enfrentam sábado, às 19h, no Estádio Nilton Santos.

Fonte: Redação FogãoNET e Rádio Brasil