A poucos dias de completar um mês, a investigação da morte do torcedor do Botafogo Diego Silva dos Santos, no entorno do Engenhão, em fevereiro, ainda não apontou suspeitos do assassinato. No domingo, policiais da delegacia de homicídios, que está com o caso, estiveram novamente nas imediações do estádio para uma nova diligência no local do crime para tentar identificar possíveis suspeitos.

Até o momento, a DH já colheu depoimentos de testemunhas, além de fotos e imagens para determinar a dinâmica da briga que terminou com a morte do torcedor.

Inicialmente, a causa da morte de Diego teria sido por tiro disparado por um ocupante de um carro que passou no local. Porém, o laudo do Instituto Médico Legal (IML) e provas presenciais mostraram que óbito ocorreu por perfuração por um espeto de churrasco.

O crime aconteceu no dia 12 de fevereiro, horas antes do início do clássico entre Botafogo e Flamengo, no Engenhão. Duas brigas aconteceram nas imediações do estádio entre torcedores das organizadas dos dois times. Na segunda delas, Diego foi atingido várias vezes na região do tórax por um espeto.

Diego foi socorrido por torcedores do Botafogo, mas morreu no Hospital Salgado Filho. A investigação do crime está a cargo do delegado Fábio Cardoso, da delegacia de homicídios.

Fonte: O Globo Online