A cena foi bonita: após festejar o gol de bicicleta, neste domingo, contra o Resende, Sassá correu até o outro lado do campo e abraçou o Jair Ventura. Mas aquele gesto teve sentido maior que a tradicional retribuição à confiança. do treinador. Era, na verdade, o atacando indo às forras após ser provocado pelo comandante, num jogo psicológico proposital, segundo o próprio treinador.

– Ele veio me abraçar porque eu estava falando da psicologia na última entrevista coletiva, eu falo que ele (Sassá) só fazia gol de bicicleta. O Bruno também provocou, disse que tinha mais gols (o volante marcou dois contra a Portuguesa, enquanto o artilheiro do ano passado, nesta temporada, tinha só um. Agora tem três). Quero mais é provocar e ele corresponder – disse Jair.

O treinador exaltou a disputa que ganhou no comando de ataque: Roger, após início com poucos gols pelo Glorioso, já tem cinco gols no ano. Por sua vez, Sassá também vive bom momento.

– É uma briga boa. O Sassá é carismático, mas o Roger é o nosso artilheiro no ano. A bola do Guilherme pegou na trave… briga gostosa, sadia, por posição. Todo treinador quer dois atacantes que estejam fazendo gol. Melhor ainda quando os dois estão no bom momento – comemora.

Fonte: Terra