Na quarta-feira, antes da partida e do julgamento pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD), o treinador Jair Ventura tentou não se comprometer ao comentar o episódio da sua expulsão contra o Fluminense, no último dia 23:

— Prefiro não falar da arbitragem, como eu sempre fiz. Em nenhum momento eu direcionei o palavrão a ninguém. Claro que falamos palavrão no futebol, mas não foi para ninguém. Deixo agora com o Anibal Rouxinol, nosso advogado.

Na súmula, o árbitro Maurício Machado Coelho Júnior disse ter sido informado pelo quarto árbitro sobre ofensas e palavrões proferidos pelo treinador. No documento, apesar de a interpretação natural ser que o treinador dirigia as palavras a ele, o árbitro não relata isso explicitamente. A súmula deverá ser usada como base no julgamento, mas o árbitro pode ser convocado para depor.

Leia a íntegra da explicação do juiz para a expulsão de Jair:

“Aos 47 (quarenta e sete) minutos do segundo tempo, expulsei o treinador da equipe do Botafogo F.R., Sr. Jair Z. Ribeiro Ventura, após o quarto árbitro da partida me informar sobre reclamações insistentes por gestos e palavras e dizendo as seguintes frases: ‘Vai tomar no c*, só três minutos, tá de sacanagem’; ‘Dá pênalti para os caras e não dá para a gente’; ‘Num f*’. Após ser expulso, o treinador saiu batendo palmas e ironicamente disse: ‘Tá de parabéns’.”

Fonte: Extra Online