Com problemas financeiros, é comum que o Botafogo dê espaços para atletas criados nas categorias de base. Não à toa, é comum ver, pelo menos, uma “cria de General” como titular em cada partida do time comandado por Alberto Valentim no Campeonato Brasileiro.

Um jogador que pode receber chances no futuro é Lucas Pimenta. O zagueiro é capitão da equipe sub-20 e integra treinos do time profissional desde setembro, quando Eduardo Barroca ainda era o treinador. Ao canal oficial do Botafogo, o defensor comentou sobre sua chegada ao Alvinegro e seus primeiros passos no futebol.

– Meu início no futebol foi com 3 anos, quando entrei na minha primeira escolinha, perto da casa. De lá, fui para outra, a Master Soccer, onde aprendei muita coisa, dei meus primeiros passos, joguei meus primeiros campeonatos. Com 7 anos fui para o Canto do Rio jogar futsal, depois fui para o Audax Rio jogar campo e, com 11 anos, fui convidado pelo professor Alberto Cintra para jogar no Botafogo – afirmou.

A história de Lucas Pimenta é antiga. O zagueiro chegou ao Botafogo em 2011, após se destacar em equipes de menor expressão do Rio de Janeiro. O atleta reafirma a gratidão pelo Alvinegro e por cada funcionário que o ajudou na caminhada até os treinos na equipe profissional – vale ressaltar que o jogador ainda não foi relacionado, mas participa dos treinos praticamente diariamente.

– Cheguei no Botafogo muito novo, ainda era um molequinho. Antes eu nem sabia da importância disso para o futuro da minha carreira. Cheguei aqui com 11 anos e foi muito bom, é um clube que eu amo muito. Cada profissional dentro do clube me ajudou. Desde a psicóloga, a nutricionista, todos os treinadores que me ajudaram bastante. Eu não sei nem usar a palavra certa, sou grato a todos do clube. Desde garoto até eu me tornar a um homem – completou.

Na entrevista, Pimenta trouxe sua principal qualidade à tona: o instinto de ser um capitão. Desde que chegou ao clube, o zagueiro assumiu a braçadeira e afirmou que sempre buscou melhorar o desempenho dos companheiros que estavam a sua volta. Além disto, o atleta também falou quais são as suas inspirações no esporte.

– Tenho a característica de liderança. Lembro do meu primeiro jogo pelo clube, quando usei a braçadeira de capitão e é algo muito importante. Isso significa que você é o líder do time e você tem que mostrar essa liderança. Ela pode ser individual, técnica e, no meu caso, sempre foi por fala. Sempre quis ajudar meus companheiros a crescer individualmente e tenho referências no futebol, como o Maldini, Thiago Silva, Sergio Ramos… São jogadores que admiro bastante – analisou.

Fonte: Terra