Má fase de B. Mendes: brigas judiciais, jejum e troca de agente

Compartilhe:

 Bruno Mendes ainda é apenas um jovem. Com 18 anos de idade, apareceu para o futebol como uma grande promessa no Guarani e se tornou um furacão de gols no fim do Campeonato Brasileiro de 2012, já pelo Botafogo, quando balançou as redes seis vezes em oito jogos. No entanto, a fase virou dentro e fora de campo, com ações na Justiça e um retrospecto abaixo da expectativa em 2013.

Este ano, ele marcou dois gols em 18 jogos, está na reserva, tendo atuado apenas duas vezes desde o dia 27 de abril, e vive uma batalha judicial com o Macaé para conseguir a rescisão de seu contrato, que tem duração até setembro de 2017.

A alegação principal na ação iniciada em março, em Macaé, é de quebra de confiança, fruto de uma procuração entregue a advogados que defendem o clube, a qual Bruno Mendes diz não ter assinado. Além disso, diz que o dinheiro destinado a ele foi pago a pessoas erradas. A audiência está marcada para novembro.

Bruno Mendes também move uma ação para receber o dinheiro ao qual diz ter direito. Na época da negociação, o jogador afirma ter ficado com R$ 300 mil. Mas alega que na época era dono de 40% de seus dinheiros econômicos, o que resultaria em mais R$ 2.522.751,32, que é o valor da ação, que tramita em Campinas desde fevereiro.

Desde sua saída do Guarani, Bruno Mendes vem enfrentando problemas judiciais. Ele chegou a ser proibido de atuar pelo Botafogo no fim do ano passado por sua negociação para o Macaé ter sido anulada, já que seus direitos estavam penhorados em uma ação do zagueiro Andrei contra o clube paulista e o pagamento não havia sido efetuado.

Nesse período, Bruno Mendes ainda trocou de agente. Ele entrou em litígio com Gustavo Arribas, sócio da HAZ, empresa que comprou 100% dos seus direitos econômicos do Guarani por pouco mais de R$ 7 milhões. Agora, é representado por Juan Figger, mas a HAZ manteve os direitos econômicos em sua ligação com o Macaé.

O Botafogo chegou a apresentar dois destinos possíveis para o jogador nos últimos dias. Mas a possibilidade de defender Náutico ou Criciúma não agradou, e seus novos representantes preferiram analisar o mercado e esperar por propostas, já que seu contrato com o clube carioca termina em dezembro deste ano.

Quem cuida do caso do jogador é o advogado Luiz Antônio Alô. Segundo ele, havia a preocupação até de que Bruno Mendes estivesse sendo preterido nos jogos do Botafogo por causa de sua ação judicial contra o Macaé. Por enquanto, ele segue fazendo parte do grupo e vem sendo relacionado para o banco de reservas no Campeonato Brasileiro, tendo atuado uma vez, na derrota por 2 a 1 para o Bahia, em Aracaju.

– A questão hoje é ver um direcionamento para o Bruno Mendes. A nossa preocupação é de que as pessoas não achem que ele está fora por indisciplina ou por não ser um bom atleta. Pode se tratar de uma questão política e essa briga relacionada aos direitos econômicos dele pode estar atrapalhando – comentou Luiz.

Caso Bruno Mendes seja negociado durante o empréstimo ao Botafogo, que termina em dezembro, o clube terá direito a 25% do valor líquido da negociação. Não há perspectiva no momento de possibilidade de renovação do vínculo.

Fonte: Globoesporte.com

Comentários