Prefeitura divulga laudo do Engenhão: obra é ‘imprescindível’

Compartilhe:

A Prefeitura do Rio divulgou nesta quarta-feira em seu site oficial o laudo feito pela comissão especial formada por três engenheiros, que determinou a solução para o problema da cobertura do Engenhão e previu o prazo de 18 meses para a sua reabertura a partir do início da obra. Nas recomendações do trio, há o entendimento de que “o reforço estrutural imediato é imprescindível para que o estádio possa ser utilizado com os níveis mínimos de segurança exigidos pela legislação vigente”.

No laudo divulgado pela Prefeitura, há explicações de todo o procedimento e dos documentos analisados. No entanto, apenas o estudo realizado pela empresa alemã SBP, que determinou o fechamento do Engenhão no dia 26 de março, foi levado em consideração, assim como a realização de novos ensaios em túnel de vento com a estrutura atualizada da Wacker Ingenieure.

Laudo Engenhão (Foto: Divulgação)
Laudo mostra como será feito o início do trabalho no Engenhão (Foto: Divulgação)

 

Os engenheiros citam a discordância da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (Abece), em relação ao fato da SBP ter realizado um novo estudo de vento com o modelo baseado na estrutura como construída, em detrimento do anterior realizado pela RWDI (Canadá) e que foram utilizados no projeto original. Segundo eles, ouvidas as críticas, respaldadas por uma consultoria da Building Research Establishment (Inglaterra), a Wacker Ingenieure fez sua defesa

– Esta comissão entendeu serem mais adequados os valores das cargas de vento desta última (Walker). Será mostrado, todavia, que as conclusões finais das análises são as mesmas independentes dos distintos ensaios de túnel de vento realizados – afirmou o laudo.

A comissão ainda fez considerações finais sobre as estruturas dos arcos e tirantes, e as treliças, da cobertura do Engenhão. Além disso, divulgou imagens de como será feita a sequência da obra no estádio.

Para ela, “há necessidade urgente de colocação dos arcos numa posição estruturalmente correta (…). Qualquer que seja a metodologia de intervenção para a reabilitação estrutural, deve-se sempre procurar uma solução que requeira o menor prazo de execução de modo a devolver o equipamento público à população”.

Veja as recomendações da comissão:

– Desenvolver um estudo do escoramento da estrutura, associado à elaboração de um
procedimento compatível de transferência de cargas tanto no escoramento como no
descimbramento;

– Estudar novos travamentos dos arcos de modo a evitar deslocamentos horizontais
excessivos;

– Definir uma forma mais eficiente de transferência das cargas horizontais da cobertura
e que não produzam grandes esforços no centro dos tirantes;

– Estudar um reforço estrutural dos arcos e tirantes, e dos pendurais caso necessário;

– Estudar um reforço das tesouras e dos respectivos travamentos destas, visando a
substituição mínima de joists de modo a colocar entre as tesouras elementos
estruturais mais robustos, em termos de resistência e rigidez estrutural, necessários
para os travamentos no plano da cobertura. Alternativamente pode ser previsto um
sistema independente para travamento lateral das tesouras, deixando para as joists
somente o papel de terças.



Fonte: Globoesporte.com
Comentários