Rafael Marques: elenco do Bota é exemplo para manifestações

Compartilhe:

 O Brasil vive um momento de grande movimentação popular para cobrar direitos e melhorias. No Botafogo, a situação tem semelhanças, já que os jogadores, diante do atraso de salários, passaram a ter mais voz ativa para reivindicar os direitos. Organizados, os atletas decidem em grupo questões, por exemplo, como a necessidade de concentração antes dos jogos.

O atacante Rafael Marques acredita que os jogadores têm conduzido bem a questão e disse que neste momento o melhor é concentrar no trabalho de campo para o time não deixar cair o rendimento.

– Espero que o que nós fazemos sirva de exemplo. Não é com violência e falta ao trabalho que vamos conseguir as coisas. Isso tende a surtir efeito. Sabemos da situação complicada do clube, mas temos que concentrar no trabalho de campo e deixar a diretoria tentar resolver. Não podemos deixar atrapalhar nosso rendimento. Estamos felizes de saber que a torcida está do nosso lado.

O jogador espera que, caso o time passe por algum momento adverso no Brasileiro, tudo isto não se volte contra o elenco.

– Pode acontecer, mas espero que não. Hoje estamos tendo um bom rendimento, bons resultados e mostrando o quanto é profissional. Lógico que não vamos ganhar todos os jogos e ter uma grande sequência sempre. Esperam que possam entender isso. Tenho acompanhado esse apoio na mídia e também nas ruas.

Rafael Marques deu sua opinião sobre a grande quantidade de protestos por tudo Brasil e aprovou a iniciativa dos brasileiros. Ele ressaltou que o mais importante é que os atos não tenham violência.

– Fiquei oito anos fora e sei como é. Sou a favor das manifestações, mas sem violência, que só piora as coisas. Cobrar é importante. Não é quebrando as coisas que se reivindica. Espero que estes protestos deem certo.

O atacante conto que está de olho na Copa das Confederações para, além de torcer para o Brasil, acompanhar o rendimento do Japão, país onde jogou por muitos anos. Ele acredita que a equipe pode surpreender a Itália nesta, nesta quarta-feira.

– As manifestações tiraram um pouco o espaço da Copa das Confederações, mas gosto muito da seleção japonesa e fiquei feliz de assistir ao jogo. Acho que podem vencer a Itália, futebol se ganha dentro de campo, e não com favoritismo.

Fonte: Globoesporte.com

Comentários