Após a partida válida pela Sul-Americana, o Fluminense agora pensa na semifinal da Taça Rio, diante do Botafogo no próximo domingo (9), no Engenhão. No entanto, para o “clássico vovô”, o comandante Abel Braga ainda não definiu o time que enfrentará o alvinegro carioca, mas afirmou que fará modificações e, que estas, têm permissão do presidente tricolor, Pedro Abad.

“Vamos jogar uma semifinal que não define nada. O restante do Campeonato Carioca já está definido, que é o que vale. Vou pensar sobre o time, ouvir a fisiologia. Até o presidente (Pedro Abad) já me falou sobre isso”, afirmou Abel Braga.

“Não vai ter relaxamento. Ninguém vai para amistoso e vamos tentar seguir sem perder clássico. Não sei o que o Botafogo vai fazer, mas se tiver que pôr o melhor eu ponho, se for para fazer um balanço eu faço também. Eu tenho meus poderes e ideias, mas não sou dono da verdade. Vou conversar com a direção e comissão. Se me convencerem que a minha ideia está errada… É assim”, finalizou o treinador.

Entretanto, a ideia de Abel Braga em promover os reservas em um clássico que vale vaga na final da Taça Rio não preocupa os tricolores. Pelo contrário. Isso porque, depois da chegada do treinador, a base do Flu vem sendo aproveitada com frequência e realizando boas partidas. A última foi também em um clássico, diante do Flamengo, em Cariacica, Espírito Santo.

Os números mostram que o Flu de Abel Braga vem sendo o clube que mais utiliza a sua base. Ao todo, Abel já escalou dezesseis jogadores advindos de Xerém. Juntos, tais atletas estiveram juntos em campo 110 vezes em 2017, tendo como destaque o lateral-esquerdo Léo e o volante Douglas.

Além, de claro, o camisa 10 Gustavo Scarpa, que, machucado, atuou somente seis vezes esse ano. Tais números explicam o motivo que Abel Braga tem em declarar que optará pelo time reserva, e, a tranquilidade que a torcida tricolor recebe os “Moleques de Xerém”.

Fonte: Vavel.com