Um dos artilheiros do último Campeonato Brasileiro, o retorno de Sassá ao elenco do Botafogo alivia os torcedores e o treinador. Só uma pessoa poderia se preocupar: Roger. O centroavante deve competir por posição com o recém-reintegrado, mas prefere evitar polêmicas:

— O Sassá é um grande jogador, com muita habilidade. Até brinco com ele que se eu tivesse toda a força que ele tem, ainda jogaria por mais alguns anos. A briga é sadia, o nosso ano será cheio, e o Botafogo vai precisar de todo mundo.

Jair não economizou elogios para Roger após o jogo, mas também destacou a atuação e o retorno de Sassá, que teve um ano tumultuado até agora. O técnico revelou que teve um papo difícil com seu atleta, sem dar detalhes:

— Tive uma conversa muito dura com ele. Mas, é claro, não vou revelar o teor. Preservo meus atletas dessas coisas. Eu fiquei arrasado quando o Sassá não estava em seu melhor momento, temos uma história desde a base. Foi ele, inclusive, quem me deu meu primeiro título, em 2012, pelo sub-20. Agora, com a cabeça no lugar, espero que ele possa ajudar muito o Botafogo.

Jair chegou a dizer que sua relação com Sassá era como uma entre pai e filho. Na saída do estádio, o jogador reconheceu seus equívocos:

— No final do ano, eu errei algumas coisas, mas agora estou mais maduro. Acho que os mesmos erros não vou cometer mais. Espero ter uma crescente e poder voltar a jogar. — disse Sassá.

Fonte: Extra Online