O duelo entre Vasco e Botafogo é conhecido como o Clássico da Amizade. Mas o confronto desta quarta-feira, em São Januário, coloca frente a frente adversários que se conhecem intimamente. Na verdade, é uma partida na qual os oponentes sabem bem o que esperar. Vai se sair melhor quem conseguir tirar mais vantagem de tal conhecimento a partir das 21h30.

Alberto Valentim teve um trabalho de oito meses à frente do Cruz-Maltino. Foi demitido após o Campeonato Carioca desde ano. Treinou o Avaí e voltou ao Glorioso há poucos dias, credenciado pelo título estadual do ano passado. Mas o novo comandante botafoguense conhece o time vascaíno também como rival, e há pouco tempo. Na semana passada ele ainda estava no time catarinense, que empatou com o Cruz-Maltino.

– Coincidentemente, talvez tenha sido a equipe que mais enfrentei. É um clássico, a gente sabe, e enfrentei agora, recentemente, com o Avaí. Isso ajuda porque ainda está muito fresco na minha memória do time do Vanderlei. Conheço grande parte do elenco do Vasco, muitos jogadores trabalharam comigo. Preciso trazer isso como lado positivo para enfrentá-los – revelou Valentim, na entrevista coletiva de reapresentação, no Estádio Nilton Santos.

O duelo é válido pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. A sétima do returno. Quando os times se enfrentaram pelo primeiro turno, as coisas permaneceram como estavam antes do jogo: o Botafogo, vencedor, manteve a boa fase até ali, e o Vasco parecia não ter perspectiva na desgastante tentativa de sair da lanterna da competição. Mas ainda era o início do “Pojetô”, quando as coisas começaram a mudar.

– O Luxemburgo (mudou o Vasco). Naquela época, ele estava chegando e pegou um time desestabilizado, sem tanta confiança. Hoje o time está mais sólido. Ele aprimorou o nosso time, aprendemos a jogar fora de casa. Conseguimos buscar pontos. A chegada dele foi providencial para o nosso crescimento – analisou Rossi.

Em certa medida, todo mundo se conhece. Veremos quem tira mais proveito disso.

Um turno da estreia de Talles, que será desfalque

O Clássico da Amizade do primeiro turno marcou também a estreia daquele que hoje é o destaque ofensivo do Vasco: Talles Magno entrou no decorrer do segundo tempo e, mesmo sem fazer gol, fez história. Aos 16 anos, 11 meses e dois dias se tornou o atleta mais jovem a defender a equipe profissional vascaína no século XXI. E contou sobre aquela emoção, à época:

– Um dia antes eu estava muito nervoso, me deu até dor de cabeça. Mas chegou na hora do jogo, encostei no estádio e pensei: “É um sonho realizado”. Entrei lá e dei o meu melhor. Pensei: “Se eu entrar, vai ser uma oportunidade incrível” – comentou em entrevista à Vasco TV.

Depois da estreia veio o gol. Depois do gol, o protagonismo. Passadas semanas, meses… o último domingo brindou os presentes no Estádio Nilton Santos com a lambreta de Talles Magno que terminou culminou na falta de Gabriel Dias, do Fortaleza. O rival foi expulso pelo segundo cartão amarelo, e a vitória ficou mais próxima ainda.

Assim o adolescente se despediu antes de rumar para a Seleção Brasileira Sub-17. Ele vestirá a camisa amarela e desfalcará o Vasco por até oito rodadas, a começar pela desta quarta-feira.

Fonte: Terra