O Botafogo tenta contratar um jogador para o setor ofensivo desde a saída de Erik para o futebol japonês, na última semana. Até aqui, porém, o Glorioso bateu na trave nas negociações que tentou – como, por exemplo, Cueva – e os atletas oferecidos, como Denilson e Willian Popp, não convenceram a diretoria de forma completa.

A diretoria do clube permanece mapeando o mercado em busca de jogadores que atuem no futebol nacional e ainda não tenham feito sete partidas no Campeonato Brasileiro. Mas, e se a coisa não andar? O LANCE! mostra opções que Eduardo Barroca tem, dentro do próprio elenco, para substituir Erik.

RODRIGO PIMPÃO

Vem sendo a opção escolhida por Eduardo Barroca nas últimas partidas, mas ainda não teve uma boa atuação desde que entrou na vaga deixada por Erik. O atacante, um dos jogadores mais experientes do elenco, se destaca pela recomposição defensiva e correria, mas ainda não mostrou sucesso na criação de jogadas.

O melhor momento de Pimpão no Botafogo na atual temporada foi atuando como uma espécie de “décimo segundo jogador”, entrando sempre no decorrer das partidas. No clássico diante do Vasco, no Brasileirão, por exemplo, a entrada do atacante resulta em um Glorioso mais ativo no ataque – não à toa, ele dá a assistência para o gol de Diego Souza, que decretou a vitória por 1 a 0.

LUCAS CAMPOS

Criado nas categorias de base, Lucas Campos é o jogador do atual elenco alvinegro que mais se aproxima das características de Erik. Velocista, o atacante de 21 anos é arisco e se destaca pelos dribles em espaço curto.

Não utilizado por Zé Ricardo em boa parte da temporada, Lucas Campos foi reintegrado na chegada de Eduardo Barroca. Desde então, vem sendo uma opção recorrente nas partidas do Botafogo, como uma das principais alternativas do banco de reservas. Com seis jogos defendendo a camisa do Botafogo até aqui, o atacante pode receber mais chances.

LEO VALENCIA

Valencia vive uma relação de altos e baixos no Botafogo. Insatisfeito com o pouco tempo de jogo, o chileno ficou perto de sair do clube, mas o Botafogo apostou na renovação de contrato do meio-campista. Dentro de campo, a relação é a mesma: desde a sua chegada, o gringo não engatou uma sequência de atuações positivas.

O que conta ao favor de Valencia é a polivalência. Com a possibilidade de atuar em todos os setores avançados do campo, o meio-campista dá a Eduardo Barroca a opção de alterar as formações táticas dentro de uma partida sem fazer substituições, algo que o treinador já afirmou publicamente que preza.

RHUAN

Dos nomes citados, Rhuan é o único que ainda não tem nenhuma partida pelo time principal do Botafogo. Criado nas categorias de base, o atleta de 19 anos foi relacionado para um jogo do profissional pela primeira vez diante do Avaí, no último domingo, na Ressacada. Destaque do sub-20, o jogador passou a integrar o elenco principal após a eliminação na Copa Sul-Americana, diante do Atlético-MG.

Rhuan é um dos principais jogadores das categorias de base do Botafogo na temporada. Com 15 gols marcados pela equipe sub-20 em 2019, o atleta se destaca pelos dribles e as finalizações de média distância, principalmente nas cobranças de falta. Assim como Valencia, também pode atuar em diferentes posições do ataque.

VICTOR RANGEL

Uma das recentes contratações, Victor Rangel demorou a estrear para fortificar a parte física. O atacante fez sua estreia após a Copa América e, desde então, vem sendo uma das principais opções de Eduardo Barroca para o decorrer dos duelos. Com exceção dos dois duelos diante do Atlético-MG, pela Copa Sul-Americana, Victor Rangel entrou em todas as partidas do Botafogo após a competição de seleções.

Nestas partidas, o atacante fez as funções de centroavante, mas também atuou pelas beiradas, principalmente o lado direito, função que fizera outrora em sua carreira, em clubes como o Ceará e o América-MG. Até agora, não marcou nenhum gol pelo Glorioso.

MERCADO

Explorar o mercado nacional é algo que o Botafogo faz. Após o fracasso com as negociações de Nicolás Blandi e Darío Aimar no último dia da janela internacional, o Alvinegro busca alternativas dentro do Brasil. A diretoria do clube busca jogadores que não sejam titulares absolutos em seus clubes na Série A – e, consequentemente, não tenham feito as sete partidas no Brasileiro.

Até aqui, um jogador de real interesse do Alvinegro foi Christian Cueva, do Santos, mas o Peixe não tem o interesse de emprestar o peruano. Ao Glorioso, portanto, cabe continuar procurando e analisando as possíveis oportunidades que o mercado oferece.

Fonte: Terra