A esperança toma conta do Botafogo para a última rodada da Taça Rio, a ser realizada neste domingo, quando o time de Zé Ricardo vai a Bacaxá enfrentar o Americano, às 16h (de Brasília), mesmo ciente de que a classificação às semifinais do returno não depende de si e de que o rival joga a vida para evitar a Seletiva. Não há venda de “ilusão”, no entanto.

O comandante alvinegro não escondeu que considera “improvável” que a seguinte combinação mantenha a sua equipe na briga pelo bicampeonato estadual: uma vitória sobre o Americano, uma derrota do Flamengo, no clássico diante do Fluminense, e da Cabofriense, que visita o Madureira, além de ter que tirar uma diferença de saldo de quatro e três gols, respectivamente.

– Como falei, ainda estamos em situação muito complicada. Mas estou há três anos no profissional, tenho alguns anos de base e como torcedor mais anos. Flamengo e Fluminense, como é um clássico, pode acontecer qualquer resultado. Madureira e Cabofriense: o Madureira precisa do resultado, se eu não me engano, para escapar da seletiva. Madureira vai jogar vida ou morte.

– Vamos tentar mais uma vez jogar de forma organizada. Não pode entrar em campo pensando em fazer três ou quatro gols. O Americano não vai poder jogar somente atrás, tem um técnico experiente, que eu respeito muito. E Já vi muita coisa acontecer no futebol. A gente tem que fazer a nossa parte. Esse deve ser o nosso compromisso. Acredito sim. Pode ser improvável, mas não é impossível – completou Zé Ricardo.

Principais trunfos ofensivos do Botafogo, Diego Souza e Erik estão confirmados no comando de ataque do time, que segue sem Gatito Fernández, a serviço da seleção paraguaia, e Carli – lesionado. No último jogo, contra a Portuguesa, o camisa 7 foi à rede pela primeira vez, mesmo com o Glorioso sem jogar bem, e pode ser principal nome para a parte do saldo de gols ser resolvida. Ao menos.

Fonte: Terra