Ex-meia do Botafogo, Tomas Bastos tenta recomeçar a carreira no Atlético-GO, na Série B do Campeonato Brasileiro. Em entrevista ao UOL Esporte, no entanto, o jogador revela que o desafio após a passagem pelo clube carioca está longe de ser o maior desafio da sua vida.

Natural de Araguaína, no Tocantins, Tomas trabalhou pesado ainda criança para conseguir realizar o sonho de virar jogador. O pai Antônio, conhecido como Chacrinha, levava o filho para seus jogos na várzea e viu o primogênito tentar seguir seus passos.

“Meu pai me colocou na escolinha, mas tive que sair porque não tinha dinheiro para pagar mensalidade. Na segunda escolinha, do 2º Batalhão, recebi bolsa e foi muito importante para mim”, disse o atleta.

Quando não tinha jogo, Tomas trabalhava. Era uma forma de financiar seu sonho de se tornar jogador de futebol. Quando um teste em clubes do Rio de Janeiro entrou na pauta, a necessidade de juntar dinheiro ficou ainda mais evidente.

“Quando não tinha jogo eu trabalhava com meu pai de servente de pedreiro ou catando latinha, vendendo ovo da Páscoa para minha tia… Também já vendi espetinho para juntar dinheiro para fazer o tal teste no Rio de Janeiro. Meu pai pediu dinheiro para os amigos dele, só que você sabe como é, né? Uns ajudaram, outros falaram que não compensava. Mesmo assim continuei batalhando para arrumar dinheiro até conseguir fazer o teste”, afirmou Tomas.

O teste não correu como ele esperava. Voltou para sua cidade natal e se arriscou nas peneiras locais. Até que um empresário cruzou seu caminho e o ajudou a arranjar um clube em Curitiba.

“O empresário Claudio Santos fez peneira em Araguaína e foi onde me destaquei. No mesmo dia viajei para Curitiba e foi onde tudo começou. Ele me colocou no Andraus Brasil. Cheguei e só tinha os caras mais velhos. Lá foi lugar muito importante para meu crescimento”, completou.

O sonho de se tornar jogador foi alcançado. O ápice da carreira até o momento foi defender o Botafogo, clube que o marcou e onde criou fortes laços de amizade. Um momento específico não sai da sua cabeça: o gol da vitória marcado diante do Flamengo, no Maracanã.

“Foi um momento único na minha vida por ter sido no Maracanã, no dia do aniversário do Rio de Janeiro e, claro, contra Flamengo. Foi emoção muito grande. O Botafogo foi onde fiz grande amizade, roupeiro, massagista, todos sensacionais, de coração gigante. Tenho grande amizade com vários jogadores, não tinha vaidade”, explicou.

Hoje no Atlético-GO, Tomas busca alçar voos maiores. “Meu objetivo hoje é ajudar o Atlético-GO, recolocar o clube onde jamais deveria ter saído. Fazendo um grande trabalho, consequentemente, as portas vão se abrir. Primeiramente estou focado aqui, mas penso sim um dia joga no exterior. Para isso acontecer tenho que fazer grande trabalho”, finalizou.

Fonte: UOL