‘Túlio Maravilha é o que é graças ao gol no Pacaembu’, diz ídolo do Botafogo

6 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Túlio Maracilha com o troféu de campeão brasileiro e a bola do jogo do título do Botafogo em 1995
Reprodução

Artilheiro irreverente, folclórico, decisivo e campeão brasileiro em 1995 pelo Botafogo, Túlio Maravilha deu entrevista ao “UOL”, elegeu melhores jogadores que viu e repassou a carreira.

O ídolo alvinegro contou qual jogo o fez chorar.

– 1995, Botafogo x Santos no Pacaembu, empatamos em 1 a 1, fui o autor do gol. Túlio Maravilha é o que é graças ao gol no Pacaembu e ao título brasileiro, que me faz chorar até hoje – afirmou Túlio, que relembrou outro episódio daquele ano.

– Teve uma reunião, lavagem de roupa suja dentro do elenco, onde estávamos com salários atrasados, grupo dividido, cada um pensando de uma forma. O presidente Carlos Augusto Montenegro reuniu todo mundo, comissão técnica, funcionários, jogadores e diretores para discutirmos o futuro do Botafogo naquele ano. Todo mundo falou o que pensava, de quem gostava e não gostava. O time saiu fortalecido daquela reunião e saiu para o título. Foi a discussão mais tensa, mas que terminou de forma positiva – explicou.

Túlio Maravilha lembrou também qual jogo mais o irritou na carreira.

– Foi a decisão da Taça Guanabara de 95, Botafogo x Flamengo, eu no Botafogo e Romário no Flamengo. Fui o artilheiro do campeonato com 27, Romário foi vice com 26. O que me deixou irritado é que fui provocado pelo zagueiro, me irritando, chutando, dando botinada, o juiz fazendo vista grossa. No fim ele cuspiu na minha cara, como não tenho sangue de barata, fui revidar, dei um empurrão, o juiz expulsou os dois. Quem saiu ganhando foi o Flamengo, porque tirou o artilheiro do campeonato, aquele que poderia resolver o título para o Botafogo. Acabei ficando 15 minutos só no jogo, fui embora para o vestiário, arrumei a mala e fui para casa assistir ao jogo muito irritado – completou.

Veja o vídeo do UOL:

Fonte: Redação FogãoNET e UOL

Notícias relacionadas