Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

X

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

X

Escudo Botafogo
BOT

Campeonato Carioca

10/04/21 às 21:05 - Raulino de Oliveira

Escudo Volta Redonda
VRE

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT

Vice: ‘Modelo do Botafogo era achar que ia pintar Papai Noel ou gnomo e trazer solução’

38 comentários

Compartilhe

Vinicius Assumpção
Vitor Silva/Botafogo

Vice-presidente geral do Botafogo, Vinicius Assumpção é a favor da profissionalização do clube, o que pretende implementar com o presidente Durcesio Mello. Perguntado por Thiago Franklin, do “Canal do TF”, se Mauricio Assumpção ou o grupo político “Mais Botafogo” foi mais nefasto, o dirigente evitou individualizar e citou um problema geral.

– O que foi mais nefasto para o Botafogo foi as pessoas se recusarem a se profissionalizarem e manterem o modelo de gestão, vendo o clube afundar, a cada ano apresentando déficit financeiro, e a cada ano acharem que ia pintar Papai Noel ou gnomo para entrar no jardim e trazer a solução. Esses são os grandes culpados, o modelo e todas as pessoas que acreditaram que era possível resolver o problema com ele – declarou Vinicius Assumpção.

– Quero evitar citar nomes porque senão vou me contradizer com o que falei, acho que é momento de juntar todos os botafoguenses, pensar soluções, fazer união. Um exemplo é o Vasco, que está no que está, porque a disputa interna é violenta. No Botafogo não dá mais, temos que olhar para a frente, trazer todo mundo que quer construir junto. O resultado final não será do Durcesio ou do Vinicius, será do coletivo, de todos que querem construir um novo Botafogo. Não quero botar culpa nem usar isso como bengala, prefiro olhar para o presente e para o futuro – adicionou.

Para o vice-presidente, o Botafogo tem uma reconstrução em andamento e espera colher os frutos no futuro

– Nosso caminho é trabalhar o Botafogo sem S/A. Se a Botafogo S/A vier, é um processo. Caso não venha a S/A, nós já estamos no caminho. Então é esse Botafogo que quero, mais forte, com pés no chão, com volta à Série A, o CEO conduzindo o processo de gestão, uma reforma estatutária que permita a profissionalização total do clube, pouca influência da política interna do clube. Se a gente conseguir isso, a gente bota o trem nos trilhos. O resto é consequência. Não adianta projetar ser campeão disso, daquilo, tem que trabalhar e fazer a reestruturação. A partir disso, as conquistas e glórias são consequências – afirmou.

– Eu não me importo, mas não é isso que nós queremos, se passarmos quatro anos aqui sem levantar uma taça. Se a gente conseguir pagar a dívida do Botafogo, título é consequência. Foi um pouco do que aconteceu no nosso rival. Talvez o resultado no Botafogo possa vir numa próxima gestão que não seja a nossa. Nenhum problema. Daqui a quatro anos quero gritar campeão. Agora, no entanto, nosso objetivo é estruturar o Botafogo – acrescentou.

Vinicius Assumpção acredita em um Botafogo bem diferente já no próximo ano.

– Quero ver o Botafogo em 2022 com uma gestão profissionalizada, na qual eu e Durcesio (Mello) vamos ter pouco poder de influência. Com uma reforma estatutária que permita isso. Com o Botafogo na Série A do Brasileiro, mais fortalecido, com mais receitas e mais oxigenado financeiramente. Claro que em um ano nós não vamos conseguir pagar a dívida do Botafogo, mas acreditamos que podemos fazer o clube andar – finalizou.

Veja o vídeo:

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do TF

Comentários