Após Flamengo fechar acordo para receber o dobro, Vasco informa que não assinará contrato de transmissão do Carioca

164 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Após Flamengo fechar acordo para receber o dobro, Vasco informa que não assinará contrato de transmissão do Carioca
Marcelo Cortes/Flamengo

O Vasco informou em nota oficial nesta sexta-feira (02/12) que não vai assinar o contrato de transmissão do Campeonato Carioca, depois da notícia de que o Flamengo fechou acordo com a Ferj para receber o dobro do que o Cruz-Maltino e o Botafogo vão ganhar pelo contrato de cinco anos com a Brax, empresa responsável por negociar os direitos do Estadual com as TVs.

Durante a semana, o colunista Gilmar Ferreira, do jornal “Extra”, noticiou que o Flamengo receberia R$ 18 milhões brutos pelo acordo válido por cinco anos, contra R$ 9 milhões para o Vasco e R$ 9 milhões para o Botafogo, que haviam concordado com os termos antes da chegada do clube rubro-negro. Com a entrada do Flamengo, SBT e Band manifestaram o interesse de exibir o Estadual. O Fluminense ainda não fechou acordo.

Na nota oficial, o Vasco – que teve sua SAF adquirida recentemente pelo grupo 777 Partners – disse que não aceita acordos sem haver a “correta distribuição de valores” e lamentou a postura do Flamengo. Segundo o clube, os rubro-negros “ainda não entenderam que o futebol não se joga sozinho” e que “não é a primeira vez que o rival recebe vantagens indevidas nos bastidores”.

Confira a nota oficial do Vasco:

Depois de confirmar a veracidade de notícias veiculadas nos últimos dias, o Vasco da Gama informa que não assinará o contrato de transmissão do Campeonato Carioca 2023 nos termos apresentados pela FERJ e sua empresa parceira.

Não aceitaremos acordos em que não haja justa e correta distribuição de valores e tomaremos todas as medidas cabíveis, nos âmbitos esportivo e jurídico, para garantir nossos direitos.

O Vasco lamenta profundamente a postura da diretoria do Clube de Regatas do Flamengo, que parece ainda não ter entendido que futebol não se joga sozinho.

Não é a primeira vez que o rival recebe vantagens indevidas nos bastidores. Foi assim, por exemplo, nas inusitadas, seguidas e inexplicáveis prorrogações do acordo temporário de permissão de uso do Maracanã.

Acreditamos que o futebol brasileiro só será sustentável economicamente quando houver clareza e justiça nas negociações, pilares que garantirão a igualdade de condições esportivas e que tornarão perene o interesse do público sobre o espetáculo.

Fonte: Redação FogãoNET e Site do Vasco

Notícias relacionadas