Diretor de documentário sobre o Botafogo conta desafios das gravações e se surpreende com ‘líderes invisíveis’

26 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Antônio Bento Ferraz - Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

A segunda temporada da série-documentário “Acesso Total“, que mostrará os bastidores da saga do Botafogo rumo ao retorno à Série A, estreia na próxima terça-feira, no SporTV. Antônio Bento Ferraz, diretor do seriado, contou um pouco dos desafios nas gravações do dia a dia do clube.

– É um processo de filmagem muito invasivo e desconfortável em vários momentos. Tanto pra eles (clube) quanto pra equipe. Porque você cria um envolvimento com todos ali dentro. E ter que colocar uma câmera seguindo eles o dia inteiro, muitas vezes em momentos tensos, sempre é delicado. Mas tanto os jogadores quanto os funcionários e comissão nos receberam muito bem. Sempre fomos muito honestos com eles e ganhamos o respeito e confiança ao longo das filmagens. Prova disso é que muitos me escreveram depois de ver o teaser dizendo que amaram e estavam ansiosos – afirmou, em entrevista ao “Lance”.

– Desde o meu primeiro contato com o presidente Durcesio e com o diretor de futebol Eduardo Freeland eu disse que tipo de série eu gostaria de fazer e eles encararam o desafio, sabendo o quanto seria importante pro Botafogo ter um registro desse momento da sua história. Eles foram de peito aberto. Claro que ao longo do caminho fomos debatendo o que não tinha necessidade de gravar, até porque nosso intuito não era expor nenhum profissional ao ridículo nem machucar a carreira de ninguém – completou.

Torcedor do Botafogo, Antônio Bento Ferraz revelou estar ansioso para o primeiro dos oito episódios ir ao ar (assista ao trailer abaixo). E revelou o que mais lhe surpreendeu durante as gravações.

– São os líderes quase “invisíveis” do elenco. Muitos jogadores que exercem uma liderança dentro do clube, mas que do lado de fora não temos ideia. E também os funcionários que a torcida nem sabe que existem, mas sem eles o clube não faz nada. Realmente você precisa viver ali dentro pra perceber a importância de tanta gente que trabalha duro pra um clube de futebol caminhar – disse.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas