Elenco interessante e fator Joel Carli: Enderson explica razões da rápida virada do Botafogo

5 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Elenco interessante e fator Joel Carli: Enderson explica razões da rápida virada do Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Como Enderson Moreira conseguiu mudar tão rapidamente um Botafogo que estava perto da zona de rebaixamento para conquistar o acesso e o título da Série B? Os fatores são diversos, mas o treinador destacou dois deles em entrevista ao podcast “Prancheta”, do “GE”.

O primeiro deles foi o elenco que encontrou no clube.

– Futebol tem várias ideias e caminhos que você pode percorrer. Podem funcionar. Tenho minha forma de pensar futebol e minhas ideias de equipe em campo, uma coisa sempre em construção, em momento algum é algo já definido há anos. No Botafogo tem algumas coisas que foram muito importantes. A primeira delas não teve a minha participação, mas foi decisiva. Encontrei um grupo de atletas muito interessante, com capacidade enorme de aceitar novas formas de jogar. Não tivemos problemas na construção do jogar, do que eu pensava. É um ponto muito positivo. Geralmente quando chego no clube é uma batalha para convencer os atletas. Aqui rapidamente aceitaram e passaram a tentar executar – explicou Enderson.

O outro ponto foi o fator Joel Carli, que deu estabilidade à defesa e comandou o time dentro de campo.

– A segunda coisa muito importante, desde o momento que fui convidado, é que eu tinha na cabeça que precisava de jogadores para liderar em campo. Tinha um jogador muito importante para mim dentro do processo, o Carli. Desde o momento que assumi, me preocupei muito em fazer o Carli participar não só de maneira periférica, fora das quatro linhas, mas que estivesse dentro de campo, já que era uma referência para todo o grupo e até para os adversários, tem um respeito. O Gatito, outra grande referência, estava machucado. Aos poucos fomos encaixando bem as peças. O jogo que observei primeiro foi contra o Goiás, fiquei muito preocupado, foi muito ruim. Uma equipe muito facilmente dominada. Comecei a pensar o encaixe de equipe que favorecesse os atletas. A princípio foi esse contexto. Costumo falar que só de encaixar bem as peças você consegue uns 70% dos trabalho. Encaixar um volante com outro volante, um lateral que sobe mais com outro que fica mais, zagueiros que possam formar dupla equilibrada, jogadores de frente que se completam… Os outros 30% são de muito trabalho e fazer muita diferença em uma equipe, são os detalhes.

Fonte: Redação FogãoNET e podcast Prancheta (GE)

Notícias relacionadas