Euforia no Botafogo, desconfiança no Cruzeiro: André Rizek compara cenários dos clubes com investidores

40 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Euforia no Botafogo, desconfiança no Cruzeiro: André Rizek compara cenários dos clubes com investidores
Reprodução/SporTV

O apresentador André Rizek abriu o programa “Seleção SporTV” desta quarta-feira fazendo uma comparação entre Botafogo e Cruzeiro, clubes que estão se tornando SAFs e recebendo aportes de investidores – John Textor e Ronaldo Fenômeno, respectivamente.

O clima no Botafogo é de muita euforia, com direito à recepção de Textor no aeroporto com festa. Por outro lado, no Cruzeiro, já houve até protestos no CT por conta da decisão da nova gestão de dispensar o goleiro e ídolo Fábio.

– Noto o botafoguense muito eufórico e animado com o carismático John Textor, que deu entrevista à TV do clube jogando muito para a torcida. E vejo os cruzeirenses muito ressabiados, as notícias são muito negativas das dívidas, das gavetas que o Ronaldo vai abrindo e encontrando – iniciou Rizek.

Segundo o jornalista, essa dicotomia de sentimentos tem a ver com os anos mais recentes dos dois clubes no futebol brasileiro.

– Tem a ver com a trajetória dos dois clubes. Torcedor do Botafogo que viveu a época de ouro viu os principais jogadores junto com o Santos nos anos 50 e 60, foi base da Seleção Brasileiro nos primeiros títulos da Copa do Mundo. Estava habituado a ganhar os principais títulos, ter os principais jogadores do Brasil e do mundo. Aí passou muito tempo sem ter os principais jogadores, teve algumas conquistas, como o Brasileiro de 1995, algumas participações na Libertadores, mas não esteve mais entre os principais times esportivamente falando com frequência. Tudo o que a geração atual quer é um pouco de estabilidade, não entrar em todo campeonato com risco de ser rebaixado. E as palavras do Textor mostram que isso é possível – afirmou Rizek.

– O Cruzeiro tem uma trajetória diferente. Foi bicampeão brasileiro em 2013 e 2014, bicampeão da Copa do Brasil em 2017 e 2018, montando um time sempre com os principais orçamentos. No ano que caiu, o Cruzeiro tinha feito uma campanha invicta na fase de grupos da Libertadores, foi rebaixado tendo um orçamento elevadíssimo. Aí foram reveladas as notícias de uma gestão criminosa que levaram o Cruzeiro à essa situação. Primeiro sentimento do torcedor era de que voltaria logo para a Série A, mas as notícias que vêm de lá mostram que isso vai demorar a acontecer e a situação é muito crítica. Isso ajuda a explicar esses sentimentos tão diferentes – concluiu.

Fonte: Redação FogãoNET e SporTV

Notícias relacionadas