Ex-Vasco, Lisca dá sua versão e nega que tenha rejeitado Botafogo: ‘Não teve isso de não quis ir para um e fui para o outro’

126 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Lisca, técnico de futebol
Reprodução/Canal do Duda Garbi

O Botafogo trocou Marcelo Chamusca por Enderson Moreira, arrancou da 14ª posição para o acesso e terminou 2021 como campeão da Série B. Mas a história poderia ter sido diferente. O clube tentou a contratação de Lisca, que negociou com o Glorioso por uma semana e acertou com o Vasco em um dia, o que irritou dirigentes e torcedores alvinegros.

Em entrevista ao “Canal do Duda Garbi”, Lisca contou sua versão e negou que tenha preferido o Vasco.

Não foi o que aconteceu. As pessoas acham que deixei de ir para o Botafogo para ir para o Vasco. Conversei com um monte de time, não estava com intenção de trabalhar. Sempre quis ir para Botafogo ou Bahia. Quando o Vasco veio, eu já tinha encerrado (conversa) com o Botafogo. Aí o gerente (Alexandre Pássaro) veio aqui, pegou avião, me apresentou o projeto. Acreditei e não funcionou. Não teve isso de não quis ir para um e fui para o outro – assegura Lisca.

No Vasco, Lisca não teve sucesso e foi rapidamente demitido. O time não conseguiu o acesso e passará mais um ano na Série B. Para ele, a competição tem que ser vista de outra forma.

Série B é diferente. Tem que ter perfil, fome, entrega. Jogador com barriga cheia não joga a Série B. O Grêmio com o mesmo time que caiu não sobe. Tem que mudar perfil. Tem que ter treinador que conheça a competição, saiba onde vá jogar, os jogadores,os adversários. É outro mercado e outro tipo de jogo. O Vasco fez time de jogadores que jogaram a Série A e não estavam em momento positivo. Não vou dizer que era um retrocesso, mas era quase uma dificuldade na carreira, porque os caras já tiveram (outras oportunidades) – explicou.

– O Botafogo é o Oyama, o Pedro Castro, um jogou na Ponte, outro no Avaí, jogaram bem para caramba, é o Diego Gonçalves… o Navarro que surgiu, bota um, dois ou três moleques. Mas não pode ter 65% do plantel de moleque. Para Serie B pesa, porque o adversário, principalmente Grêmio, Botafogo, Cruzeiro, Vasco, são carro-chefe, é diferente. O jogador se prepara de um jeito para jogar contra o Internacional e de outro para jogar contra o Três Passos. O time grande tem que ser muito superior, porque os adversários se superam para jogar contra eles – completou.

Veja o vídeo:

Fonte: Redação FogãoNET e canal do Duda Garbi

Notícias relacionadas