Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Série B

13/06/21 às 16:00 - Raulino de Oliveira

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Remo
REM

Série B

05/06/21 às 21:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

2

X

0

Escudo Coritiba
CTB

Série B

28/05/21 às 21:30 - OBA

Escudo Vila Nova
VLN

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Final da Taça Rio prova que Botafogo e Vasco ainda precisam evoluir para Série B

13 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Final da Taça Rio prova que Botafogo e Vasco ainda precisam evoluir para Série B
Vitor Silva/Botafogo

O gol de German Cano, que deu a vitória ao Vasco sobre o Botafogo na primeira partida da final da Taça Rio, neste domingo, foi um exemplo claro de que é necessário formar um time mais competitivo e intenso, mas também minimamente talentoso para a disputa da Série B. A 20 dias do campeonato nacional, as duas equipes deixaram a impressão que podem evoluir mais coletivamente.

Antes do erro do zagueiro Sousa na jogada do gol, a partida no estádio Nilton Santos sofria com o baixo nível técnico em razão do campo irregular, que gerou excesso de passes errados, muitas faltas de ambos os lados (38 no total) e dificuldade de fazer o jogo rodar e a bola correr. Pouco futebol, muita disputa física.

Em termos de empenho, Vasco e Botafogo empataram, e o placar teria repetido a tendência não fosse um pênalti em Ronald ignorado pela arbitragem em dia sem árbitro de vídeo. Mas em termos de atuação, o Vasco foi melhor como um todo e mereceu a vitória.

Apesar da maior posse de bola inicial, teve dificuldade de trocar passes. O jogo truncado não permitiu que a qualidade do meio-campo, com Galarza e Andrey, sobresaísse. Embora o Vasco tenha finalizado duas vezes no gol e obrigado Douglas Borges a trabalhar no primeiro tempo.

O Botafogo, nem isso. Investiu em um jogo mais reativo no princípio. Com ligação direta para Ronald carregar ao ataque. Houve pouca aproximação com os homens de frente, e a bola não chegou.

Faltou qualidade para trabalhar a bola no meio e ajustar o passe final. Matheus Frizzo teve dificuldade em fazer a transição. E Rafael Navarro e Marco Antônio não receberam nenhum passe em condições de gol.

Não à toa do lado de fora do campo a torcida ergueu uma faixa em que pedia reforços para a temporada.

Em falta de Navarro em cima de Castan, o técnico Marcelo Cabo resumiu o sentimento no campo de jogo. “Se virar várzea lá, vai virar aqui também”. Clima de Série B.

Erro abre caminho

A disputa acirrada foi quebrada por uma falha individual com menos de um minuto no segundo tempo. O zagueiro David Sousa tentou sair jogando pela esquerda, mas foi pressionado por Léo Jabá, que roubou a bola e tocou de primeira para Cano cabecear no meio do gol e abrir o placar para o Vasco. A característica de pressionar a defesa adversária foi um dos grandes diferenciais do Vasco.

Com a defesa sólida na competição até aqui, o Botafogo tentou reagir com maior participação de meias e atacantes. O atacante Ênio entrou no lugar do volante Romildo, e Pedro Castro foi recuado para ajudar na saída de bola. Com o time mais ofensivo, Marco Antônio vinha atrás para buscar mais jogo ao lado de Ronald. Os laterais passaram a subir mais também.

Aos 30 minutos, Ronald fez boa jogada na área e foi calçado por Galarza. O juiz não viu pênalti, mas o Botafogo reclamou bastante. Na parte final do jogo, o goleiro Vanderlei trabalhou bem pelo Vasco, que tentou se segurar. Com a entrada de Filipe Ferreira, o time alvinegro fez o abafa final nas jogadas aéreas.

Mas o Vasco também renovou as energias do time e cadenciou a partida com seu melhor toque de bola.

Fonte: O Globo Online

Notícias relacionadas
Comentários