‘Matheus Nascimento tem potencial espetacular para jogar no mais alto nível do mundo’, diz Barroca, ex-técnico do Botafogo

42 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

‘Matheus Nascimento tem potencial espetacular para jogar no mais alto nível do mundo’, diz Barroca, ex-técnico do Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Treinador com duas passagens pelo profissional do Botafogo e com sucesso na base, Eduardo Barroca falou sobre as expectativas sobre Matheus Nascimento, em entrevista ao “Charla Podcast”. Para ele, o jovem tem um futuro promissor.

Não posso afirmar que é o ano dele, depende de uma série de coisas, mas ele tem um potencial espetacular para jogar no mais alto nível no mundo. Pode jogar tanto de nove como de segundo atacante. Ele sabe fazer gol, é oportunista, tem boa velocidade, joga bem de costas. Acredito bastante nele a nível mundial – declarou Barroca.

Torcedor alvinegro declarado, Eduardo Barroca elogiou a atual gestão do clube e destacou mais um jogador. Segundo o técnico, a capacidade de Joel Carli para jogar e influenciar os companheiros é espetacular e poderia até ter ajudado a evitar o a queda no Brasileiro de 2020.

– Jogadores como o Carli fazem sempre a diferença. Quando ele fala, todo mundo abre a orelha para escutar. E não é só a boca que fala, é a atitude, a postura, a cobrança, como ele se porta. Esse tipo de liderança faz a diferença. Naquela ocasião, as principais referências eram os jovens, o Caio Alexandre, o Kanu, o Diego – lembrou.

Barroca afirmou que a falta de comprometimento não foi a principal causa do rebaixamento. As polêmicas envolvendo acusações de falta de foco de Matheus Babi, Marcelo Benevenuto e Rhuan, o treinador classificou como “erro de leitura” por parte dos atletas e que o grande problema ocorreu dentro de campo.

– Cheguei muito no final para tentar reverter um cenário bastante adverso – disse o treinador sobre a reta final do campeonato em que esteve no comando da equipe.

Barroca também foi questionado por torcedores sobre a insistência em um estilo de jogo de posse de bola que foi pouco produtivo em 2019. Naquele ano, treinou o clube por sete meses e, depois de um bom início no Brasileirão, foi demitido na 23ª rodada após uma sequência de quatro derrotas consecutivas. Saiu com com o registro de dez vitórias, três empates e 14 derrotas.

– A gente encontrou uma forma de jogar e trabalhar em que os jogadores se sentiram muito confortáveis. No decorrer do processo, a gente alterou pouco porque, entre alterar e dar confiança àquilo que os jogadores vinham fazendo desde o início, eu fiz a opção de manutenção – completou.

Veja o vídeo:

Fonte: Redação FogãoNET e Charla Podcast

Notícias relacionadas