Mauro Cezar cita Crystal Palace e freia euforia com John Textor: ‘Se colocar o Botafogo numa estabilidade, já será muito bom’

253 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Mauro Cezar Pereira analisa venda do Botafogo para John Textor
Reprodução/YouTube

O jornalista Mauro Cezar Pereira pediu cautela aos torcedores do Botafogo mais empolgados com a venda da SAF do clube para a Eagle Holdings, fundo americano do empresário John Textor. Ele conversou com um colega de imprensa que faz a cobertura do Crystal Palace, clube do qual Textor é coproprietário, e disse que a torcida não pode esperar supertimes, mas sim um aporte que ajudará a garantir a estabilidade do Glorioso.

O caso do Cruzeiro serve de alerta para o torcedor botafoguense, especialmente aquele que está superempolgado achando que o John Textor vai montar timaços em um dois ou anos. O perfil dele não é esse. Conversei com um jornalista que cobre o Crystal Palace, e a visão que os ingleses tem é: esse cara vai ampliar nosso estádio, aumentar nossa capacidade de arrecadação, eventualmente investir um pouco no time e vamos nos estabilizar como um time de primeira divisão, como tem sido nos últimos anos, com colocações muito parecidas com a do Botafogo, fora o ano do rebaixamento. Embora o Botafogo seja muito maior no futebol brasileiro do que é o Crystal Palace na Inglaterra, os dois vivem momentos de certa semelhança no desempenho da principal competição de seus países – analisou Mauro Cezar.

– Como Textor verá o Botafogo? Tem botafoguense que acha que vai montar time para ganhar o Brasileirão, Libertadores, mas até agora não podemos ter certeza disso. Se esse cara colocar o Botafogo numa situação de estabilidade, reduzindo as dívidas e sem risco de rebaixamento nos próximos anos, já será muito bom para o Botafogo. E talvez mais adiante pode montar um time para brigar mais em cima, mas esse processo não é tão rápido. Por mais que o contrato tenha amarras, não dá para ter certeza de que as coisas vão caminhar maravilhosamente bem. É recomendável cautela. Esperança é muito importante ter, mas haverá uma visão mais profissional, nada paternalista, que vai tentar colocar as coisas nos devidos lugares. E isso leva tempo – completou.

Mauro Cezar lembrou que o Botafogo viveu um ano muito menos conturbado que o Cruzeiro, que também foi vendido a um investidor – no caso, Ronaldo Fenômeno. A Raposa gastou mais do que poderia e sequer brigou para subir em 2021, permanecendo pelo terceiro ano seguido na Série B, enquanto o Alvinegro teve um controle financeiro mais rígido e conseguiu voltar à Série A sendo campeão, inclusive.

– É muito importante o torcedor do Botafogo olhar para o Cruzeiro e ver como vai ser. Mas, pensando: “Como estávamos antes?” Por que não agora continuar trabalhando com um orçamento um pouco melhor, mas cortando as dívidas, enxugando custos desnecessários e colocando profissionalismo na gestão para subir um degrau atrás do outro e voltar a figurar entre os principais times do futebol brasileiro? – defendeu Mauro, reforçando o pensamento mais “pés no chão” de Textor:

– Se o Textor aparecer como um (Roman) Abramovich (dono do Chelsea), o Botafogo vai dar um salto muito rápido. Mas não parece ser isso pelo que ele já fez lá fora. O cenário que esse jornalista me passou é: os torcedores do Crystal Palace não veem o Textor como um cara para mudar totalmente o perfil do clube, como o dinheiro do Qatar mudou o PSG, como o dos Emirados Árabes mudou o Manchester City, e o do Abramovich mudou o Chelsea.

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do Mauro Cezar Pereira

Notícias relacionadas