Análise: Botafogo volta a sofrer fora de casa e com a bola aérea no empate com o Guarani

26 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise Guarani x Botafogo

No Brinco de Ouro da Princesa, o Botafogo saiu na frente, mas cedeu o empate em 1 a 1 ao Guarani. Rafael Navarro marcou o gol alvinegro e deixou para trás o tabu de nove jogos. O desempenho do time no segundo tempo deixou muito a desejar. O empate segurou mais uma vez o ímpeto do Glorioso em chegar no G4 e mantém o time no bolo.

O Botafogo foi à Campinas pensando em melhorar o péssimo desempenho como visitante no campeonato. Nos nove jogos anteriores, o time conseguiu uma única vitória – contra o Confiança, já sob o comando de Enderson -, empatou três jogos e perdeu cinco. Marcou oito gols e sofreu 14. Se como mandante o time tem a melhor campanha da competição, fora de casa é a quinta pior equipe da Série B. Encontrar o equilíbrio nas atuações dentro e fora do Nilton Santos é fundamental para alcançar e permanecer no G4 durante o segundo turno.

Apesar da boa atuação contra o Brasil de Pelotas, Joel Carli voltou para o banco. Gilvan foi poupado devido à sequência de jogos e retornou ao time, mas Carli aproveitou a chance para mostrar serviço e deve ser utilizado outras vezes em um rodízio. Hugo foi mantido na lateral-esquerda, mesmo depois de atuações pouco convincentes nos últimos dois jogos. No meio-campo, Barreto voltou de suspensão e retomou sua vaga entre os titulares. Luís Oyama foi mantido e Pedro Castro, que vinha de jogos pouco inspirados, perdeu espaço justamente depois de sua melhor exibição recente. Tudo indica que Enderson Moreira, preocupado com a defesa, não abrirá mão de jogar com um volante de contenção, exceto em situações específicas.

Análise Guarani x Botafogo

O Guarani não contou com Régis, principal armador da equipe e um dos melhores jogadores do campeonato. Ainda assim, o Bugre tentou jogar com a bola no pé e com trocas de passes rápidos conseguiu envolver a defesa alvinegra, sobretudo explorando as laterais. O Botafogo demorou a entrar no jogo, mas equilibrou o jogo a partir dos 10 minutos. Foi importante a participação de Rafael Navarro fazendo pivô, segurando a bola à espera da transição ofensiva e sofrendo faltas. No entanto, o Glorioso teve muita dificuldade em encontrar espaços no ataque e criar chances de gol.

Foi aos 24 minutos que o Botafogo finalizou pela primeira vez e abriu o placar. Toda a luta de Navarro foi premiada e o centroavante voltou a balançar a rede depois de passar nove jogos em branco. E o gol nasceu da jogada que melhor funciona para o time de Enderson, a bola longa a partir da defesa. Hugo dominou e achou ótimo lançamento para Navarro em velocidade. A boa movimentação de Chay arrastou o zagueiro responsável pela cobertura e abriu todo o campo de ataque para o centroavante conduzir a bola e finalizar duas vezes para marcar.

Análise Guarani x Botafogo

Depois do gol, o Glorioso ficou mais confortável para baixar as linhas e explorar os contra-ataques e as saídas em velocidade com bolas longas. O Guarani mostrou muita dificuldade na transição defensiva e o Botafogo chegou outras vezes com Marco Antônio e Navarro. Tivesse maior poder de desarme, foram apenas quatro na primeira etapa, e interceptação, poderia ter criado ainda mais contra a problemática defesa bugrina. O time da casa teve 62% da posse de bola no primeiro tempo, finalizou nove vezes, mas obrigou Diego Loureiro a uma única defesa sem grandes riscos.

No segundo tempo, o Botafogo voltou com Warley no lugar de Marco Antônio. Depois de uma sequência de bons jogos que o estabilizou como titular com Enderson, o camisa 70 voltou a cair de desempenho e participou pouco do jogo. O lateral Bidu teve muito espaço pelo lado direito da defesa no primeiro tempo. Warley entrou para ser mais uma opção de velocidade no jogo direto alvinegro e melhorar a defesa com Daniel Borges. Contudo, logo aos dois minutos a situação se complicou. Depois de ter desperdiçado a chance de um bom ataque pela esquerda com Hugo, o Botafogo recompôs o sistema defensivo, mas voltou a dar muito espaço pelas laterais. No balanço da defesa, o próprio Hugo foi quem deu muito espaço para Diogo Matheus dominar, levantar a cabeça e cruzar na cabeça de Andrigo. Diego Gonçalves e Gilvan também poderiam ter feito um papel melhor na jogada.

Análise Guarani x Botafogo

O gol sofrido logo na volta do intervalo fez muito mal ao Botafogo. O time não reagiu bem e foi nulo no ataque. Chay pouco tocou na bola e foi substituído por Ênio. A partida fraca de Chay liga o alerta para a dependência do time em seu desempenho. Mesmo com os espaços oferecidos pelo Guarani, o atacante não conseguiu ser peça chave na armação da equipe que, consequentemente, só foi capaz de criar em jogo direto. E, na segunda etapa, mesmo o jogo direto foi mal executado. Warley não foi acionado na direita. Ênio recebeu uma única bola em velocidade e sofreu falta. Faltaram movimentações como a do primeiro gol para abrir espaços para jogadas em profundidade.

Enderson tentou mudar e se desfez de Barreto para tentar ganhar o meio-campo. Voltou com a dupla de volantes do último jogo com Pedro Castro e Oyama. A finalização de fora da área de Pedro Castro poderia ter sido uma boa arma da equipe no jogo contra um adversário que deu muito espaço na entrada da área. Rafael Moura entrou e perdeu uma chance clara de gol finalizando em cima do goleiro. Matheus Frizzo entrou já nos minutos finais e só tocou duas vezes na bola.

Análise Guarani x Botafogo

Um empate fora de casa contra o Guarani, uma das boas equipes do campeonato, não deveria ser considerado um resultado ruim. A campanha fora de casa sob o comando de Chamusca é o que torna urgente que o Botafogo ganhe jogos como visitante para recuperar o prejuízo. O time conquistou sete pontos em 30 possíveis fora do Nilton Santos. Agora, o Botafogo volta ao Rio de Janeiro onde vai receber o Vila Nova na manhã do domingo (22). O time goiano perdeu três dos últimos quatro jogos e ocupa o 16º lugar na Série B.

Números do jogo: (Sofascore)

Posse de bola – BOT 40% x 60% GUA
Passes certos – BOT 267 (80%) x 412 (85%) GUA
Cruzamentos – BOT 1/9 (11%) x 7/20 (35%) GUA
Bolas longas – BOT 20/41 (49%) X 46/75 (61%) GUA
Dribles – BOT 6/12 (50%) x 4/5 (80%) GUA
Finalizações – BOT 9 (6 no gol) x 14 (2) GUA
Finalizações dentro da área – BOT 4 X 8 GUA
Chances claras – BOT 2 x 1 GUA
Duelos ganhos – BOT 52 x 51 GUA
Desarmes – BOT 9 X 18 GUA
Cortes – BOT 19 x 14 GUA
Interceptações – BOT 13 x 16 GUA
Faltas – BOT 17 x 22 GUA

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas